Festival Porão do Rock

O Porão do Rock faz sua festa de debutante!

O Festival Porão do Rock em Brasília chega a sua 15° edição em grande estilo, reunindo 40 atrações em três palcos, num total de 15 horas de shows e uma expectativa de público de 40 mil pessoas. Várias atrações nacionais e internacionais se intercalam, nomes como: Sepultura (MG), Raimundos (DF), Cascadura (BA) e Vanguart (MT) dividem o palco com Gaz Coombes (Inglaterra), Red Fang (EUA) e Motosierra (Paraguay). Isso tudo sem falar nas toneladas de alimentos arrecadados pela ong PDR para o projeto Rock Contra a Fome e a Bolsa Rock onde alunos da rede pública entram de graça. O festival acontece nos dias 07 e 08 de setembro de 2012.

O Porão do Rock nasceu numa época em que os festivais preencheram uma enorme lacuna da música independente, disseminando e divulgando novos artistas por todo o Brasil. Vários festivais brotaram por todo o país seguindo o exemplo dos pioneiros: Porão do Rock (DF), Abril Pro Rock (PE), Goiânia Noise (GO) eRec Beat(PE). Criando um novo conceito e relação com a música, já que, no entorno desses festivais toda uma cultura independente se desenvolveu.

Hoje o Porão discute seus próprios modelos com um debate na véspera do festival, para discutir “Os Efeitos da Gratuidade dos Eventos no Mercado de Produção do Distrito Federal”. O que é um bom sinal. Mostra que as cabeças continuam pensantes e olhando para o próprio umbigo.

Informações:

http://www.poraodorock.com.br/

Abril pro Rock em Recife (PE)

AD Luna, colaborador especial do showlivre em Recife (PE) comenta sobre o Abril pro Rock e as suas frentes musicais múltiplas.

“Apesar de momentos de cansaço, grande parte do ótimo público que compareceu à primeira noite do Abril pro Rock, que aconteceu na sexta (15/04), no Recife, curtiu até o fim a já tradicional noite dos sons pesados do festival. O evento contou com atrações nacionais e internacionais de estilos como punk, crossover, thrash e death metal.
Abrindo a noite, as bandas pernambucanas Cangaço e Desalma, e a cearense Facada iniciaram as rodas de pogo e o balançar de cabeças no salão do Chevrolet Hall – local semelhante às casas paulistanas Credicard Hall e Via Funchal, porém com acústica inferior a estas. Depois dos nordestinos, o anúncio do grupo brasiliense Violator provocou gritos de saudação e corridas para a frente do palco. Formado por jovens músicos, o quarteto mostrou grande entusiasmo provocado tanto pela alegria em estar de volta ao Recife, depois de quatro anos – como afirmou o comunicativo vocalista Poney Ret -, quanto pela recepção calorosa do público. Apesar de o som não ter contribuído (a caixa da bateria, estava baixa, por exemplo), os rapazes mandarem bem com seu som calcado no thrash metal mais agressivo e oitentista de artistas como o alemão Kreator e os americanos Overkill e Nuclear Assault.
Ao iniciar sua apresentação, os paulistas do Torture Squad trouxeram consigo uma sensível melhora na qualidade do som enviado para o público: tudo ficou mais alto e claro. Podia-se ouvir melhor o grande trabalho de bumbos duplos e a criatividade de Amílcar Christófaro, baterista e professor deste instrumento, e os urros musicados do vocalista Vitor Rodrigues. Curioso ver como Rodrigues interpreta gestual e facilmente as agressivas, porém reflexivas, letras do Torture.

Amilcar do Torture Squad - foto por Rafael Passos
A “destruição” provocada pelo Torture Squad parece ter deixado o público um tanto quanto cansado para receber o Musica Diablo, de São Paulo. Tendo à frente o também vocalista do Sepultura, Derrick Green, a banda fez uma competente apresentação, porém pegou o público cansado, talvez guardando forças para a atração seguinte.
Os americanos do Dirty Rotten Imbeciles (D.R.I) acordou o povo que estava deitado e disperso pelos cantos do Chevrolet Hall. Com sua mistura de metal com hardcore – o chamado crossover -, os veteranos provocaram grande pandemônio em frente ao palco, com camisas pretas “dançando” o pogo e corpos sendo levantados ao ar. Depois do Recife, o D.R.I tocaria ainda em Belo Horizonte e São Paulo.
O Misfits encerrou a noite com um show empolgante. Comandado pelo único membro original, o baixista e vocalista Jerry Only, o trio quase não deixou espaço para o público respirar, tocando uma música atrás da outra, sem grandes pausas. O visual estilo filme de terror B dos americanos foi imitado por pessoas da plateia. Mesmo com suas mais de trinta décadas, o punk horror do Misfits mostrou estar sintonizado com a garotada dos anos 2000.

Jerry do Misfits - Foto por Rafael Passos

Música conecta gerações no último dia do Abril pro Rock

Uma das coisas mais maravilhosas e ricas da música é sua capacidade de conectar pessoas, culturas, gerações. Exemplo disso aconteceu na noite de encerramento da 19o edição do festival Abril pro Rock, neste domingo (17/04), no Recife. Com quase cinquenta anos de existência – mas com uma formação bastante diferente da original -, o lendário Skatalites levou ao delírio cerca de cinco mil pessoas que compareceram ao Chevrolet Hall. Devido à festejada e explosiva apresentação anterior – da banda olindense Eddie -, pairou no ar a impressão de que o show dos mestres do ska ficaria deslocado como atração principal.
Mas, lá pela terceira música tal sensação foi totalmente dissipada. Sob um poderoso som de metais, ancorado por uma sólida base de guitarra, baixo e bateria, os jamaicanos conseguiram se sintonizar com a vibrante energia e alegria do jovem e colorido público que encheu o salão para vê-los. Aliás, para quem torce para a ampliação e fortalecimento do cenário musical recifense ver uma moçada com idades próximas a do nascimento do próprio Abril pro Rock é bastante animador.
Voltando ao show… Por focar boa parte do seu repertório em temas instrumentais, a música do Skatalites é do tipo “ouça, dance e aprecie”, tal é a qualidade da execução e do balanço. As partes cantadas foram comandadas pela carismática senhora Doreen Shaffer. A bola fora da apresentação foi a banda não ter atendido ao insistente pedido do público para que voltassem ao palco, depois do final do show. Sobraram até vaias. Mas, nada que tenha abalado a boa impressão deixada anteriormente.
Nos outros shows da noite, a curadoria do festival enfatizou a presença de novos nomes da música brasileira. Gente como a cantora Tulipa Ruiz e a banda Holger, de São Paulo; os pernambucanos Mamelungos e Feiticeiro Julião, além da baiana radicada em Pernambuco Karina Burh. Essa prática de dar vez a grupos iniciantes era bastante comum nas primeiras edições do evento. Naquele longíquo tempo, os pobres e dependentes artistas novos ficavam ansiosos por terem seus trabalhos vistos e ouvidos por “olheiros” de gravadoras, principalmente das multinacionais. Hoje, quase ninguém dá a mínima para tais seres. Se é que eles existem ainda.
Falando em Karina Burh, esta vive uma ótima fase na carreira solo com constantes elogios da crítica e boa agenda de shows. Garota esperta, ela tem ciência da importância de se montar um grupo de músicos capazes de interpretar com maestria suas ideias musicais. Entre outras feras, sua banda conta com o ex-guitarrista do Ira!, Edgar Scandurra.

Scandurra e Arnaldo Antunes - foto por Rafael Passos

O já citado Eddie, apesar de seus mais de vinte anos de criação, consegue se manter conectado às novas gerações. Além do público interagindo em todos as músicas, o show deles também contou com a participação de Erasto Vasconcelos (irmão do percussionista Naná), e os ex-integrantes da banda Karina Burh e Rogerman. É a chamada “brodagem” pernambucana em ação!
Focado na estética jovem guarda de Iê Iê Iê, álbum produzido por Fernando Catatau e lançado em 2009, Arnaldo Antunes pôs o público pra dançar animadamente. Também era possível ver e ouvir a moçada cantando várias letras do referido CD. O cantor caruaruense Ortinho fez breve participação no show do ex-Titã. Antunes é outro artista que tem conseguido fazer a ponte entre gerações. Além da incursão pelo antigo rock sessentista nacional, isso se evidencia na presença do outrora citado Edgar Scandurra e dos talentosos instrumentistas e compositores Curumin, na bateria, e Marcelo Jeneci, nos teclados.
A vida vivida e compartilhada por gente de várias gerações é muito mais interessante e rica!”

por AD Luna

Anote e vá – Roteiro Showlivre 7 a 16 de abril/2011

Algumas sugestões de shows bacanas para a semana que entra.

CSS @Clash Club

Após quase seis anos sem fazer shows no Brasil, fora de festivais, a banda paulistana Cansei de Ser Sexy (CSS) volta ao país para um único show.
A CSS é atualmente a banda brasileira mais reconhecida internacionalmente. Prestes a lançar seu terceiro álbum, prometido para meados deste ano, os músicos passarão pelo Brasil entes de embarcar para shows na América Latina e depois uma turnê de um mês nos EUA.

Cansei de Ser Sexy
Quinta-feira, 7 de abril
Clash Club – Rua Barra Funda, 969
Tel.: (11) 3661-1500
Abertura da casa: 21h
Show: 22h30
Ingresso: R$ 30 a R$ 60

Guizado e convidados @Studio SP

Guizado circula muito bem pelos palcos de diversas bandas, e, em seu show convida os parceiros Edgard Scandurra, Karina Buhr e Bárbara Eugênia para dividirem o palco num show especial.
O repertório deste show apresenta seu segundo disco, Calavera, e pitadas do primeiro Punx.

Guizado + Edgard Scandurra + Karina Buhr + Bárbara Eugênia @Studio SP
Quinta, 7 de abril
Studio SP – Rua Augusta, 591 – Consolação
Tel. 11 3129-7040
Abertura da casa: 23h
Show: 1h
Ingressos: R$ 15,00 a R$ 25,00

Nathalie Alvim @CLUB A

A cantora paulistana de soul Nathalie Alvim, fará uma apresentação apreentando no repertório clássicos de Creedence, Rolling Stones, Aretha Franklin e Tina Tuner, além de músicas próprias, como “Estória para dormir”.

Sexta, 8 de abril, a partir da meia-noite
CLUB A
Av. das Nações Unidas, 12.559, piso C (acesso pelo lobby do Hotel Sheraton São Paulo WTC Hotel)
Telefone: (11) 3043.8343 / 7702.2341
Preço: R$200 (Homem) – R$100 (Mulher) – Consumíveis

Pato Fu @Auditório Ibirapuera

Dentro da programação de divulgação dos selecionados no Rumos Música Infantil, o Itaú Cultural leva duas apresentações do Pato Fu, com participação especial do grupo de teatro de bonecos Giramundo.

Mesmo com os ingressos esgotados os ingressos para os dois shows gratuitos, caso a pessoa com entrada para o show não for, serão disponibilizados. Então, fique de olho.

Os ingressos, que começaram a ser retirados pelo público no dia 29 de março, esgotaram-se na manhã do dia seguinte.

Pato Fu – Show Música de Brinquedo
Ingressos esgotados
Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 2 do Parque do Ibirapuera
Dias 9 e 10 de abril de 2011 (sábado e domingo), às 17h
www.auditorioibirapuera.com.br
Tel.: 3629-1075 ou info@auditorioibirapuera.com.br
Abertura da casa: 2 horas antes do espetáculo
Abertura da plateia: 1 hora antes do espetáculo

Holger @Casa do Mancha

Festa/show/convidado supresa na Casa do Mancha com o pessoal do Holger. Pra dançar cedo as músicas do álbum Sunga no sábado. Eles fazem a abertura do show do Cut Copy em junho.

Casa do Mancha. Rua Filipe de Alcaçova, s/nº – Vila Madalen
9 de abril de 2011 -19 hs
Ingressos: R$ 5

Dean & Britta @Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93)

Fundador do Galaxie 500, o vocalista Dean Wareham passou pelo Luna e depois começou a trabalhar depois com a esposa Britta Phillips.
Ele se apresenta no SESC Pompéia apresentando repertório da sua ex-cult banda e também material do projeto de trilhas criadas para filmes do mestre Andy Warhol.
Referência cult da música independente americana do final dos anos 80, o Galaxie 500 é referência do shoegaze que dominou o rock britânico na primeira metade da década de 90.

Dean Wareham plays Galaxie 500
14 e 15 de abril de 2011, às 21h
Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93
Ingressos: R$ 16

Agenda Showlivre: anote e vá

Enquanto o nosso programa de roteiro de shows não fica pronto, mando uma relação de shows que vão acontecer em São Paulo e recomendo, vamos lá:

Zá: show no Urban Lounge

A cantora revelação paulistana apresenta seu álbum de estreia no Urban Lounge. O repertório transita por diversos ritmos, como rock e soul, sempre com interpretações doces e melodias dançantes. Entre as referências da cantora estão Aretha Franklin, Roberto Carlos, Pretenders e Otis Redding.

Na mesma noite, a banda Paris Le Rock (www.myspce.com/parislerock) se apresenta na casa.

18 de março (sexta), a casa abre às 23h
Urban Lounge
Rua Carlos Vicari, 263 – Lapa (próximo ao Sesc Pompéia)
www.urbanlounge.com.br
Entrada: R$ 12 (entrada) ou R$ 30 (consumação)
Garotas não pagam entrada até a meia-noite

Orquestra Contemporânea de Olinda

Idealizada pelo Gilú (percussionista), a Orquestra é a reunião de alguns dos melhores músicos pernambucanos que não se contentam com a formação tradicional de uma banda.

Com segundo disco em fase de produção (a ser lançado ainda em 2011), a Orquestra Contemporânea de Olinda já foi indicada a Grammy Latino e outros renomados prêmios e indicações valiosas (até o NY Time) e m sua carreira.

Dias 18, 19 e 20/mar
Sexta e sábado, às 21h. Domingo, às 18h.
SESC Santana
Av Luiz Dumont Villares 579 – Santana
Tel. 2971 8700
Entrada: De R$ 4,00 a R$ 16,00. Os ingressos estão à venda em todas as unidades Sesc de São Paulo.

13 anos de Vozes do Brasil com Patricia Palumbo

Para celebrar os 13 anos no ar do programa Vozes do Brasil, a jornalista Patricia Palumbo convida para uma festa em forma de jam session no Studio SP.

Tom Zé e Seu Jorge fazem participações especiais, seguidos de artistas que se revezam no palco: Bárbara Eugênia, Blubell, Bruno Morais, Céu, Edgard Scandurra, Karina Buhr, Mariana Aydar, DJ Zé Pedro e muitos outros mais.

23 de março (quarta) às 21 horas
Studio SP
Rua Augusta, 591 – Consolação
Entrada R$ 30,00
Tel. (11) 3129 7040

Noruegueses do Datarock

A Datarock se autointitula como a união de quatro amigos bêbados que, embalados pela onda dos festivais eletrônicos europeus, resolveram começar a banda em 2000 misturando indie dance, new wave, pop rock, punk e funk. Show prá lá de divertido.

24 de março (quinta-feira). Abertura da casa 21h.
Estúdio Emme
Rua Pedroso de Moraes, 1036.
Tel. (11) 3031-3290
Ingressos: R$ 80 a R$ 120
Vendas: livepass.com.br ou tel.: 4003-1527

Los Porongas na festa da Scream and Yell e Urbanaque

Scream and Yell e Urbanaque se unem para promover mais uma noite, tendo como atração no palco os acreanos do Los Porongas para mostrar em primeira mão as músicas de seu novo álbum O Segundo Depois do Silêncio, em que aprofundam suas experimentações musicais e líricas inspiradas pelo rock oitentista e guitarras psicodélicas.

25 de março (sexta) – Abertura da casa: 22h – Início do show: 23h
Casa Dissenso
Rua dos Pinheiros, 747 – Pinheiros
Discotecagem: Urbanaque + Scream&Yell
Entrada: R$ 20 na porta ou R$ 15 na lista (lista@urbanaque.com.br)
Telefone: (11) 2364-7774

Programação musical da Virada Cultural Paulista tem rock 90’s e a nova MPB

A Secretaria de Estado da Cultura anunciou detalhes e atrações da quinta edição da Virada Cultural Paulista, que acontece nos dias 14 e 15 de maio em 22 cidades do estado de São Paulo.

A Virada Cultural Paulista 2011 será realizada nas cidades de Araçatuba, Araraquara, Assis, Botucatu, Caraguatatuba, Franca, Indaiatuba, Jundiaí, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi-Guaçu, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santa Bárbara D’oeste, Santos,Santo André, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Sorocaba.

Tulipa Ruiz - Foto: Duca Mendes

Na programação de 2011, destaque para grandes nomes da música brasileira como Fafá de Belém, Renato Teixeira, Angra, Jamelão Neto e Charlie Brown Jr., que participam pela primeira vez da Virada, entre muitos outros. Além de novos nomes como Maria Gadú, Tulipa Ruiz, Marcelo Jeneci, Thiago Pethit, Lulina, Les Pops, Luisa Maita e Karina Buhr. Como na edição passada, a Secretaria de Estado da Cultura traz atrações internacionais. Para este ano, a Virada conta com shows de Agnès Jaoui, Pink Martini e a banda Superchunk.

Superchunk vai se apresentar em Mogi das Cruzes e Sorocaba. A banda Pink Martini apresenta um mix de música clássica, jazz e clássicos em Piracicaba e São José do Rio Preto.

Superchunk - Divulgação

Maria Gadú leva seu repertório para Araraquara. Outro destaque é a veterana Fafá de Belém, que comemora 35 anos de carreira com o público de Araçatuba. Estão confirmados shows de Tulipa Ruiz em Araçatuba e São Carlos. O multiinstrumentista Marcelo Jeneci se apresenta em Araraquara e Indaiatuba. Completam o time Thiago Pethit (Mogi das Cruzes), Lulina (Santa Bárbara), Luisa Maita (Mogi das Cruzes e Santa Bárbara), Karina Buhr (Santos e São Carlos) e Les Pops (São José dos Campos).

A Virada também aposta nas novas bandas. Apanhador Só se apresenta em Marília e São José do Rio Preto; Do Amor tem show marcado para São Carlos; Guizado vai para Jundiaí, Vega em Indaiatuba e Vespas Mandarinas em São José do Rio Preto.

Inspirada na Virada Cultural da capital, a Virada Cultural Paulista foi lançada em 2007 em 10 cidades, que receberam 381 atrações. Em 2008, mais de 740 mil pessoas compareceram à Virada em 19 municípios e puderam conferir 476 espetáculos. Na edição de 2009, o público presente nas 20 cidades ultrapassou a marca de um milhão de pessoas, que conferiram mais de 560 atrações. Em 2010, a Virada atingiu a marca de 1,6 milhão de pessoas. Para 2011, a expectativa é atingir o mesmo número de público.

A programação prévia está publicada no site www.cultura.sp.gov.br e www.viradaculturalpaulista.sp.gov.br

Top 5 – Discos do Ano – Parte 4

Nosso caro apresentador e diretor artístico do showlivre.com, Clemente Nascimento, lista seus álbuns prediletos de 2010. Confira:

#5

Karina Buhr - Eu Menti Pra Você

#4

Devotos - Victória

#3

Miranda Kassin e André Frateschi - Hits do Underground

#2

Monbojó - Amigo do Tempo

#1

LCD Soundsystem - This is Happening