Ronaldo Giovanelli, o goleiro rock’n’roll

Fui gravar o programa Pé na Porta com Ronaldo Giovaneli , esse eterno goleiro do Corinthians e agora comentarista e cantor. Ele é uma figuraça, divertido e boa praça.

Recebeu-nos no estúdio da rádio Transamérica onde ele faz um programa sobre futebol, grande novidade (rsrs). Falamos sobre seu trabalho como cantor, sua banda Ronaldo e os Impedidos, onde revelou que eles estão preparando material novo que deve sair em outubro.

 

Ronaldo e Clemente na Rádio Transamérica

Como em agosto, faz 35 anos que Elvis Presley nos deixou, o assunto não poderia ser outro. Ronaldo se mostrou um fã apaixonado, tem tudo do rei: discos, CDs, roupas, objetos, e ainda se emociona de verdade quando fala no seu grande ídolo. Deu até uma “palinha” pra gente, cantando “Suspicious minds”. Foi demais!

Elvis Não Morreu. Fato.

Em uma época de information overload, talvez passe batido a data da morte de um cantor que fazia suas fãs gritar, se descabelarem, fazia shows com ingressos disputados a sangue, foi o primeiro a transmitir seu show para o mundo todo e ainda por cima, fazia filme, namorava mulheres deslumbrantes, colecionava carros e tinha sua turma de balada.

Essas informações cabem hoje na carreira de qualquer rock star, pagodeiro, jogador de futebol ou ator hollywoodiano, mas foi fundamento do maior fenômeno da música pop, Elvis Presley.

 

Elvis nasceu em Tupelo no Mississipi em 8 de janeiro de 1935.
Um resumo corrido da carreira gloriosa: gravação do compacto para o dia das mães, descoberta pelo Coronel Tom Parker, exército, filmes, sucesso, roupas horríveis, pasta de amendoim, tiro na TV, esposa absurdamente linda, morte por excessos em 16 de agosto de 1977.

O Rei era acima de tudo um fenômeno midiático. Sabia como poucos usar seu charme e sex appeal, o talento e a esperteza do seu empresário, unir uma banda tão afiada – Bill Black no baixo, Scooty Moore na guitarra e D.J. Fontana na bateria – com um repertório que misturava rhythm and blues, rockabilly, gospel, country e rock and roll.

Até obstáculos em sua carreira, caso da convocação do exército dos EUA, ajudaram na carreira do cantor. A antiga imagem de “selvagem”, incontrolável no palco, foi quebrada com a sua curta carreira militar.

Poucos artistas conseguiram ter uma carreira no cinema, nos palcos e discos consagrados. Tá certo que a qualidade dos filmes era discutível, mas uma carreira de ator com 33 filmes onde interpretava normalmente o galã que se dava bem, exceção ao primeiro, um western triste, Love me Tender, onde ele só canta no final do filme, não pode ser execrado, concorda?

Muito do cenário musical e fonográfico vem da experiência de Elvis. A primeira transmissão de um show via satélite para o mundo é o clássico Aloha from Hawaii de 1973. O formato “acústico” com público em volta se popularizou com o especial Elvis Comeback de 1968.

Alguns relembram e brincam com a memória da fase artística final de Elvis. As roupas cafonas, o excesso de peso, as toalhinhas brancas, o repertório menos roqueiro, as drogas e a mansão onde se exilou. Mas o galã das “Sessões da Tarde” deixou um repertório, histórias e referências pop que jamais serão apagados do imaginário popular.
Entendeu por que o Rei jamais vai morrer?

 

Henry Paul trio homenageando o Rei do Rock no Estúdio Showlivre

A melhor capa de discos

Exposição na Escola Panamericana elege o disco com a melhor capa de todos os tempos

Até 18 de junho (sábado) quem for à Escola Panamericana poderá ver de perto as capas de 50 álbuns que marcaram época e eleger, por meio de uma votação eletrônica, a melhor capa de todos os tempos.

Fazem parte da competição álbuns como “Nevermind (Nirvana – 1991)”, “Atom Heart Mother (Pink Floyd – 1970)”, “Revolver (The Beatles – 1966)”, “Secos&Molhados (Secos&Molhados – 1973)”, “Roots (Sepultura – 1996)”, “Cabeça Dinossauro (Titãs – 1986)”, “Meat Is Murder(The Smiths – 1985)”, “Elvis Presley (Elvis Presley – 1956), “The Velvet (The Velvet – 1967), entre outras.

Nirvana - Nevermind

Velvet Underground & Nico

No espaço do evento, localizado nas unidades Angélica (Avenida Angélica, 1900) e Groenlândia (Rua Groenlândia, 77), em São Paulo, haverá ainda um computador para realizar a votação e conferir quem está ganhando a disputa em tempo real. Pela internet também é possível votar: http://mtv.uol.com.br/projetos/panamericana.