A Arte de Ser Pai

Nossa singela homenagem aos pais roqueiros e seus intrépidos filhos rebeldes

Ser pai é a coisa mais prazerosa do mundo, mas não é fácil. É preciso dedicação, e muita, ainda mais para quem tem profissões em que a rotina do dia a dia praticamente inexiste. Os pais músicos que o digam, mas nada que muito amor e carinho não ajudem a superar.

Há um documentário ótimo sobre o assunto, chamado “Pais e Punks” (The Other F Word), exibido há alguns dias no GNT, sobre as agruras de conciliar a vida de punk star com a criação dos filhos. Sei bem o que é isso.

Quando minha filha mais velha nasceu, foi uma alegria só, e uma nova fase se iniciou na minha vida. O primeiro filho é sempre vítima de nossa inexperiência, e com a Mariana não foi diferente, ainda mais que era eu quem ficava com ela no dia-a-dia.

Eu adorava passear com ela na praça. Às vezes encontrava o Edgard Scandurra, na época guitarrista do Ira, e enquanto ela brincava com o Daniel nós ficávamos lá, jogando conversa fora e vendo o tempo passar devagar.

Só me arrependo de uma coisa: não ter feito uma música pra ela, pois a minha condição de músico punk me deixava numa situação um pouco desconfortável – ainda mais naquela época cheia de extremismos -, coisa que não atingia o Scandurra, que fez uma linda canção para o filho dele, que hoje toca baixo e faz parte da banda do pai. Já a Mariana preferiu ser atriz, e das boas, como já pude conferir.

Hoje os gêmeos Pedro e Iago completam minha prole. Com eles, tudo é diferente. Eles ganharam até uma musiquinha, que não foi gravada. Adoram skate e rock, mas vivem em outra cidade e a distância é a maior dificuldade. Gostaria muito que fossem músicos, como o Roy Carlini, guitarrista da banda Velhas Virgens e filho do Luiz Carlini, do Tutti Frutti; ou o Drake, que toca com o pai, Marcelo Nova; o Enzo, filho do André Jung; ou até o Beto Lee, que dispensa apresentações. Deve ser demais tocar ao lado do próprio filho. Mas é claro que não reclamaria se fossem médicos ou engenheiros, o orgulho seria o mesmo.

A relação entre pais e filhos nem sempre é um mar de rosas. As tensões fazem parte das relações humanas, e entre pais e filhos não é diferente. China faz uma reflexão sobre isso, na condição de filho e de pai, na bela canção “Anti-Herói” que está no seu último CD, Moto Contínuo.

E assim traçamos a história do mundo, a pequena história de cada um, a que escrevemos e a que queremos escrever, as histórias entre pais e filhos, e as histórias das relações humanas.

Feliz dia dos pais!

Anote e vá – Agenda Showlivre de 10 a 19 de junho

Um Tributo a George Harrison @SESC Vila Mariana

Os músicos André Abujamra, Anthony Rosemberg, Beto Bruno, Bluebell, Danilo Moraes, Dinho Ouro Preto, Edgar Scandurra, Hélio Flanders, João Herbeta, Lu Horta e Paulinho Moska se reúnem no show inédito George – Tributo a George Harrison no Teatro do Sesc Vila Mariana.
Na terça-feira, dia 21 de junho sobem ao palco: André Abujamra (Karnak), BlueBell, Beto Bruno (Cachorro Grande), Danilo Moraes, Dinho Ouro Preto (Capital Inicial), Hélio Flanders (Vanguart), João Erbetta, Lu Horta e Tony Rosemberg (Cassavettes), com a participação do músico Paulinho Moska. E na quarta-feira, dia 22, é a vez de Edgard Scandurra (Ira!) integrar o time de roqueiros brasileiros.

SESC Vila Mariana
Rua Pelotas, 141
Informações: 5080-3000 0800-118220
www.sescsp.org.br
21 e 22 de junho (Terça e quarta) – 21h
Ingressos: R$ 10 a R$ 42

Nicholas Payton @SESI-SP
O trompetista norte-americano Nicholas Payton tocará repertório composto por grandes sucessos de seu último álbum Into the Blues. Como líder de seu grupo, o trompetista já gravou nove discose em 1997, conquistou um Grammy pela composição Stardust.

Quartas Musicais 2011 – Nicholas Payton
Teatro do SESI – São Paulo – Av. Paulista, 1313 – metrô Trianon-Masp
22 de junho (quarta-feira), às 20h.
Entrada: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia entrada) Vendas na bilheteria do teatro ou pela Tickets For Fun, via fone – (11) 4003-5588 – ou site – www.ticketsforfun.com.br.
Informações: (11) 3146-7405/7406
SESI-SP e SENAI-SP / FIESP www.sesisp.org.br e www.sp.senai.br

Terruá Pará @Auditório Ibirapuera

Segunda edição – a primeira foi realizada em 2006 – o Terruá Pará fornece uma amostragem do que já foi criado, do que está sendo criado e do que ainda será criado na vibrante cena musical daquele estado. Cada artista participante faz um número breve e passa a bola para o seguinte, mantendo o tão elogiado andamento do espetáculo inicial.

Terruá Pará

Estão no Terruá Pará Gaby Amarantos, Edilson Moreno, Charme do Choro, Dona Onete, Sebastião Tapajós, Pio Lobato, Solano, Felipe e Manoel Cordeiro, Quarteto de Cellos da Orquestra Jovem de Cellos da Amazônia, Paulo André Barata, Gang do Eletro, Carimbó Uirapuru de Marapanim e ainda as cantoras Lia Sophia e Luê Soares.
Os produtores Carlos Eduardo Miranda e Cyz Zamorano são os responsáveis pela direção artística do show.

Serviço:
24 e 25 de junho 2011 – 21h
Valor do ingresso – R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)
Auditório Ibirapuera –
Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 2 / Parque Ibirapuera – São Paulo.
Contato – 11- 5908-4299 – www.auditorioibirapuera.com.br

Tony Tornado @Itaú Cultural

A programação do Estéreo Saci encerra com duas noites de shows com Tony Tornado. Com o pseudônimo Tony Checker, Tornado iniciou sua carreira musical como cantor de rock’n’roll, morou em Nova York ,teve contato com o movimento negro e conheceu Tim Maia. De volta ao país, trabalhou no conjunto de Ed Lincoln e foi crooner da boate New Hollyday, no Rio, onde foi descoberto pelo compositor Tibério Gaspar. Tibério e Antônio Adolfo confiaram a Tony Tornado (acompanhado pelo Trio Ternura) a interpretação de sua composição BR-3, no V Festival Internacional da Canção, em 1970.

Tony Tornado encerrando os Shows Estéreo Saci 2011
25 e 26 de junho de 2011 (quarta-feira a domingo) – 20h
Sala Itaú Cultural (247 lugares)
Entrada gratuita (Será distribuído um cartão numerado, para o controle de fila. Ao recebê-lo, a pessoa deve permanecer na fila, pois será trocado pelo ingresso meia hora antes do início do espetáculo)
Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô
Fones: 11. 2168-1776/1777

Amabis @Sala Crisantempo

Produtor de trilhas sonoras para filmes como “O Senhor das Armas” e “Quincas Berro D’água”, no palco, Amabis faz o lançamento do seu CD Memórias Luso Africanas e leva a nau acompanhado da tripulação ideal: Céu, Lucas Santtana, Criolo,Tulipa Ruiz, Regis Damasceno, Samuel Fraga, Marcelo Cabral e Dustan Gallas.
Sala Crisantempo
Rua Fidalga, 521 – Vl. Madalena -Tels : 3819-2287 e 3814-2850
28 e 29 junho – 21h00
Ingressos : R$ 30,00 – dinheiro ou cheque

Lulina @Studio SP

A cantora e compositora pernambucana Lulina, pseudônimo de Luciana Lins, de voz doce e jeito tímido, usa metáforas divertidas com ETs, playmobil, edredons, minhocas, o número 13 e bebidas exóticas, navegando pelo universo lúdico, com tiradas sagazes e algumas vezes até sarcásticas.

29 de junho (qua) – 23h30
Studio SP
Rua Augusta, 591 – Consolação
Tel/Fax: (11) 3129.7040
Ingresso: R$ 10 e R$ 20

Sarambá @Estúdio Emme

Estréia do projeto Sarambá, a nova Gafieira Paulista comandada por Carol Bezerra, Quinteto em Branco e Preto e integrantes da Banda Mantiqueira.
Sempre nas segundas e últimas quintas-feiras de cada mês, o projeto promove o encontro do grupo de samba com a big band. Neste cenário, os artistas se juntam para trocar experiências e fazer o povo dançar na pista.

Estréia: 30 de junho (qui) – Abertura da Casa: 21h30 – Horário do show: 22h30
Temporada: 14 e 28/07, 11 e 25/08, 08 e 22/09, 13 e 27/10, 10 e 24/11 e 08/
12
Estúdio Emme
Av. Pedroso de Moraes, 1036 – Pinheiros SP – Fone 2626-5835
Ingressos: R$ 30 a R$ 40,00

Ultraje a Rigor @SESC Pompeia

Comemorando o mês do rock, destaque na programação da Choperia reunindo bandas tradicionais do rock nacional como Ultraje a Rigor, Inocentes, Nasi, Marcelo Nova e Hangar.
E para comemorar também os 26 anos de banda, o Ultraje a Rigor abre a série de shows com as apresentações dos discos Nós Vamos Invadir sua Praia (1/7) e Sexo! (2/7), que serão tocados na íntegra.

1 e 2 de julho (sex e sab) – 21h30
SESC Pompéia
Rua Clélia, 93
Telefone para informações: (11) 3871-7700
Valor: de R$ 4 a R$ 16

Célia @SESC Vila Mariana

A cantora e sambista Célia realiza show em comemoração dos quarentas anos de carreira e muito samba. Célia sobe ao palco acompanhada do grupo Quinteto Em Branco e Preto e da cantora Fabiana Cozza, e recebe na sexta (1º/06) a cantora Virgínia Rosa, no sábado (2/06) Giana Viscardi e no domingo (3/06) Lucinha Lins sobe ao palco.

Célia

Desde seu primeiro LP, lançado em 1971, Célia interpreta composições de grandes nomes da música brasileira, de Ivan Lins, Marcos Paulo Sérgio Valle a Fátima Guedes, Sinval Silva a Roberto e Erasmo Carlos, passando por Tom Jobim, Vinícius de Moraes.

Célia – Quem Não Gosta de Samba
Dias 1º, 02 e 03 de julho – Sexta e sábado às 21h, e domingo às 18h
Ingressos à venda pelo sistema INGRESSOSESC a partir do dia 25/06.
R$ 32,00 (inteira); R$ 16,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, maiores de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 8,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).
SESC Vila Mariana
Rua Pelotas, 141
Informações: 5080-3000 0800-118220

Abril pro Rock em Recife (PE)

AD Luna, colaborador especial do showlivre em Recife (PE) comenta sobre o Abril pro Rock e as suas frentes musicais múltiplas.

“Apesar de momentos de cansaço, grande parte do ótimo público que compareceu à primeira noite do Abril pro Rock, que aconteceu na sexta (15/04), no Recife, curtiu até o fim a já tradicional noite dos sons pesados do festival. O evento contou com atrações nacionais e internacionais de estilos como punk, crossover, thrash e death metal.
Abrindo a noite, as bandas pernambucanas Cangaço e Desalma, e a cearense Facada iniciaram as rodas de pogo e o balançar de cabeças no salão do Chevrolet Hall – local semelhante às casas paulistanas Credicard Hall e Via Funchal, porém com acústica inferior a estas. Depois dos nordestinos, o anúncio do grupo brasiliense Violator provocou gritos de saudação e corridas para a frente do palco. Formado por jovens músicos, o quarteto mostrou grande entusiasmo provocado tanto pela alegria em estar de volta ao Recife, depois de quatro anos – como afirmou o comunicativo vocalista Poney Ret -, quanto pela recepção calorosa do público. Apesar de o som não ter contribuído (a caixa da bateria, estava baixa, por exemplo), os rapazes mandarem bem com seu som calcado no thrash metal mais agressivo e oitentista de artistas como o alemão Kreator e os americanos Overkill e Nuclear Assault.
Ao iniciar sua apresentação, os paulistas do Torture Squad trouxeram consigo uma sensível melhora na qualidade do som enviado para o público: tudo ficou mais alto e claro. Podia-se ouvir melhor o grande trabalho de bumbos duplos e a criatividade de Amílcar Christófaro, baterista e professor deste instrumento, e os urros musicados do vocalista Vitor Rodrigues. Curioso ver como Rodrigues interpreta gestual e facilmente as agressivas, porém reflexivas, letras do Torture.

Amilcar do Torture Squad - foto por Rafael Passos
A “destruição” provocada pelo Torture Squad parece ter deixado o público um tanto quanto cansado para receber o Musica Diablo, de São Paulo. Tendo à frente o também vocalista do Sepultura, Derrick Green, a banda fez uma competente apresentação, porém pegou o público cansado, talvez guardando forças para a atração seguinte.
Os americanos do Dirty Rotten Imbeciles (D.R.I) acordou o povo que estava deitado e disperso pelos cantos do Chevrolet Hall. Com sua mistura de metal com hardcore – o chamado crossover -, os veteranos provocaram grande pandemônio em frente ao palco, com camisas pretas “dançando” o pogo e corpos sendo levantados ao ar. Depois do Recife, o D.R.I tocaria ainda em Belo Horizonte e São Paulo.
O Misfits encerrou a noite com um show empolgante. Comandado pelo único membro original, o baixista e vocalista Jerry Only, o trio quase não deixou espaço para o público respirar, tocando uma música atrás da outra, sem grandes pausas. O visual estilo filme de terror B dos americanos foi imitado por pessoas da plateia. Mesmo com suas mais de trinta décadas, o punk horror do Misfits mostrou estar sintonizado com a garotada dos anos 2000.

Jerry do Misfits - Foto por Rafael Passos

Música conecta gerações no último dia do Abril pro Rock

Uma das coisas mais maravilhosas e ricas da música é sua capacidade de conectar pessoas, culturas, gerações. Exemplo disso aconteceu na noite de encerramento da 19o edição do festival Abril pro Rock, neste domingo (17/04), no Recife. Com quase cinquenta anos de existência – mas com uma formação bastante diferente da original -, o lendário Skatalites levou ao delírio cerca de cinco mil pessoas que compareceram ao Chevrolet Hall. Devido à festejada e explosiva apresentação anterior – da banda olindense Eddie -, pairou no ar a impressão de que o show dos mestres do ska ficaria deslocado como atração principal.
Mas, lá pela terceira música tal sensação foi totalmente dissipada. Sob um poderoso som de metais, ancorado por uma sólida base de guitarra, baixo e bateria, os jamaicanos conseguiram se sintonizar com a vibrante energia e alegria do jovem e colorido público que encheu o salão para vê-los. Aliás, para quem torce para a ampliação e fortalecimento do cenário musical recifense ver uma moçada com idades próximas a do nascimento do próprio Abril pro Rock é bastante animador.
Voltando ao show… Por focar boa parte do seu repertório em temas instrumentais, a música do Skatalites é do tipo “ouça, dance e aprecie”, tal é a qualidade da execução e do balanço. As partes cantadas foram comandadas pela carismática senhora Doreen Shaffer. A bola fora da apresentação foi a banda não ter atendido ao insistente pedido do público para que voltassem ao palco, depois do final do show. Sobraram até vaias. Mas, nada que tenha abalado a boa impressão deixada anteriormente.
Nos outros shows da noite, a curadoria do festival enfatizou a presença de novos nomes da música brasileira. Gente como a cantora Tulipa Ruiz e a banda Holger, de São Paulo; os pernambucanos Mamelungos e Feiticeiro Julião, além da baiana radicada em Pernambuco Karina Burh. Essa prática de dar vez a grupos iniciantes era bastante comum nas primeiras edições do evento. Naquele longíquo tempo, os pobres e dependentes artistas novos ficavam ansiosos por terem seus trabalhos vistos e ouvidos por “olheiros” de gravadoras, principalmente das multinacionais. Hoje, quase ninguém dá a mínima para tais seres. Se é que eles existem ainda.
Falando em Karina Burh, esta vive uma ótima fase na carreira solo com constantes elogios da crítica e boa agenda de shows. Garota esperta, ela tem ciência da importância de se montar um grupo de músicos capazes de interpretar com maestria suas ideias musicais. Entre outras feras, sua banda conta com o ex-guitarrista do Ira!, Edgar Scandurra.

Scandurra e Arnaldo Antunes - foto por Rafael Passos

O já citado Eddie, apesar de seus mais de vinte anos de criação, consegue se manter conectado às novas gerações. Além do público interagindo em todos as músicas, o show deles também contou com a participação de Erasto Vasconcelos (irmão do percussionista Naná), e os ex-integrantes da banda Karina Burh e Rogerman. É a chamada “brodagem” pernambucana em ação!
Focado na estética jovem guarda de Iê Iê Iê, álbum produzido por Fernando Catatau e lançado em 2009, Arnaldo Antunes pôs o público pra dançar animadamente. Também era possível ver e ouvir a moçada cantando várias letras do referido CD. O cantor caruaruense Ortinho fez breve participação no show do ex-Titã. Antunes é outro artista que tem conseguido fazer a ponte entre gerações. Além da incursão pelo antigo rock sessentista nacional, isso se evidencia na presença do outrora citado Edgar Scandurra e dos talentosos instrumentistas e compositores Curumin, na bateria, e Marcelo Jeneci, nos teclados.
A vida vivida e compartilhada por gente de várias gerações é muito mais interessante e rica!”

por AD Luna

Anote e vá – Roteiro Showlivre 7 a 16 de abril/2011

Algumas sugestões de shows bacanas para a semana que entra.

CSS @Clash Club

Após quase seis anos sem fazer shows no Brasil, fora de festivais, a banda paulistana Cansei de Ser Sexy (CSS) volta ao país para um único show.
A CSS é atualmente a banda brasileira mais reconhecida internacionalmente. Prestes a lançar seu terceiro álbum, prometido para meados deste ano, os músicos passarão pelo Brasil entes de embarcar para shows na América Latina e depois uma turnê de um mês nos EUA.

Cansei de Ser Sexy
Quinta-feira, 7 de abril
Clash Club – Rua Barra Funda, 969
Tel.: (11) 3661-1500
Abertura da casa: 21h
Show: 22h30
Ingresso: R$ 30 a R$ 60

Guizado e convidados @Studio SP

Guizado circula muito bem pelos palcos de diversas bandas, e, em seu show convida os parceiros Edgard Scandurra, Karina Buhr e Bárbara Eugênia para dividirem o palco num show especial.
O repertório deste show apresenta seu segundo disco, Calavera, e pitadas do primeiro Punx.

Guizado + Edgard Scandurra + Karina Buhr + Bárbara Eugênia @Studio SP
Quinta, 7 de abril
Studio SP – Rua Augusta, 591 – Consolação
Tel. 11 3129-7040
Abertura da casa: 23h
Show: 1h
Ingressos: R$ 15,00 a R$ 25,00

Nathalie Alvim @CLUB A

A cantora paulistana de soul Nathalie Alvim, fará uma apresentação apreentando no repertório clássicos de Creedence, Rolling Stones, Aretha Franklin e Tina Tuner, além de músicas próprias, como “Estória para dormir”.

Sexta, 8 de abril, a partir da meia-noite
CLUB A
Av. das Nações Unidas, 12.559, piso C (acesso pelo lobby do Hotel Sheraton São Paulo WTC Hotel)
Telefone: (11) 3043.8343 / 7702.2341
Preço: R$200 (Homem) – R$100 (Mulher) – Consumíveis

Pato Fu @Auditório Ibirapuera

Dentro da programação de divulgação dos selecionados no Rumos Música Infantil, o Itaú Cultural leva duas apresentações do Pato Fu, com participação especial do grupo de teatro de bonecos Giramundo.

Mesmo com os ingressos esgotados os ingressos para os dois shows gratuitos, caso a pessoa com entrada para o show não for, serão disponibilizados. Então, fique de olho.

Os ingressos, que começaram a ser retirados pelo público no dia 29 de março, esgotaram-se na manhã do dia seguinte.

Pato Fu – Show Música de Brinquedo
Ingressos esgotados
Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 2 do Parque do Ibirapuera
Dias 9 e 10 de abril de 2011 (sábado e domingo), às 17h
www.auditorioibirapuera.com.br
Tel.: 3629-1075 ou info@auditorioibirapuera.com.br
Abertura da casa: 2 horas antes do espetáculo
Abertura da plateia: 1 hora antes do espetáculo

Holger @Casa do Mancha

Festa/show/convidado supresa na Casa do Mancha com o pessoal do Holger. Pra dançar cedo as músicas do álbum Sunga no sábado. Eles fazem a abertura do show do Cut Copy em junho.

Casa do Mancha. Rua Filipe de Alcaçova, s/nº – Vila Madalen
9 de abril de 2011 -19 hs
Ingressos: R$ 5

Dean & Britta @Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93)

Fundador do Galaxie 500, o vocalista Dean Wareham passou pelo Luna e depois começou a trabalhar depois com a esposa Britta Phillips.
Ele se apresenta no SESC Pompéia apresentando repertório da sua ex-cult banda e também material do projeto de trilhas criadas para filmes do mestre Andy Warhol.
Referência cult da música independente americana do final dos anos 80, o Galaxie 500 é referência do shoegaze que dominou o rock britânico na primeira metade da década de 90.

Dean Wareham plays Galaxie 500
14 e 15 de abril de 2011, às 21h
Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93
Ingressos: R$ 16

Agenda Showlivre: anote e vá

Enquanto o nosso programa de roteiro de shows não fica pronto, mando uma relação de shows que vão acontecer em São Paulo e recomendo, vamos lá:

Zá: show no Urban Lounge

A cantora revelação paulistana apresenta seu álbum de estreia no Urban Lounge. O repertório transita por diversos ritmos, como rock e soul, sempre com interpretações doces e melodias dançantes. Entre as referências da cantora estão Aretha Franklin, Roberto Carlos, Pretenders e Otis Redding.

Na mesma noite, a banda Paris Le Rock (www.myspce.com/parislerock) se apresenta na casa.

18 de março (sexta), a casa abre às 23h
Urban Lounge
Rua Carlos Vicari, 263 – Lapa (próximo ao Sesc Pompéia)
www.urbanlounge.com.br
Entrada: R$ 12 (entrada) ou R$ 30 (consumação)
Garotas não pagam entrada até a meia-noite

Orquestra Contemporânea de Olinda

Idealizada pelo Gilú (percussionista), a Orquestra é a reunião de alguns dos melhores músicos pernambucanos que não se contentam com a formação tradicional de uma banda.

Com segundo disco em fase de produção (a ser lançado ainda em 2011), a Orquestra Contemporânea de Olinda já foi indicada a Grammy Latino e outros renomados prêmios e indicações valiosas (até o NY Time) e m sua carreira.

Dias 18, 19 e 20/mar
Sexta e sábado, às 21h. Domingo, às 18h.
SESC Santana
Av Luiz Dumont Villares 579 – Santana
Tel. 2971 8700
Entrada: De R$ 4,00 a R$ 16,00. Os ingressos estão à venda em todas as unidades Sesc de São Paulo.

13 anos de Vozes do Brasil com Patricia Palumbo

Para celebrar os 13 anos no ar do programa Vozes do Brasil, a jornalista Patricia Palumbo convida para uma festa em forma de jam session no Studio SP.

Tom Zé e Seu Jorge fazem participações especiais, seguidos de artistas que se revezam no palco: Bárbara Eugênia, Blubell, Bruno Morais, Céu, Edgard Scandurra, Karina Buhr, Mariana Aydar, DJ Zé Pedro e muitos outros mais.

23 de março (quarta) às 21 horas
Studio SP
Rua Augusta, 591 – Consolação
Entrada R$ 30,00
Tel. (11) 3129 7040

Noruegueses do Datarock

A Datarock se autointitula como a união de quatro amigos bêbados que, embalados pela onda dos festivais eletrônicos europeus, resolveram começar a banda em 2000 misturando indie dance, new wave, pop rock, punk e funk. Show prá lá de divertido.

24 de março (quinta-feira). Abertura da casa 21h.
Estúdio Emme
Rua Pedroso de Moraes, 1036.
Tel. (11) 3031-3290
Ingressos: R$ 80 a R$ 120
Vendas: livepass.com.br ou tel.: 4003-1527

Los Porongas na festa da Scream and Yell e Urbanaque

Scream and Yell e Urbanaque se unem para promover mais uma noite, tendo como atração no palco os acreanos do Los Porongas para mostrar em primeira mão as músicas de seu novo álbum O Segundo Depois do Silêncio, em que aprofundam suas experimentações musicais e líricas inspiradas pelo rock oitentista e guitarras psicodélicas.

25 de março (sexta) – Abertura da casa: 22h – Início do show: 23h
Casa Dissenso
Rua dos Pinheiros, 747 – Pinheiros
Discotecagem: Urbanaque + Scream&Yell
Entrada: R$ 20 na porta ou R$ 15 na lista (lista@urbanaque.com.br)
Telefone: (11) 2364-7774