Em música nova, Pitty faz parceria com Elza Soares

A cantora Pitty acaba de anunciar uma parceria com ninguém menos que Elza Soares. A música se chama “Na Pele” e já está disponível em todas as plataformas digitais.

Em um comunicado oficial, a cantora e compositora baiana diz que sempre quis trabalhar com Elza, que é uma mulher com quem ela sempre se identificou. Pitty conta como ela escreveu a música há bastante tempo, mas não sentia que tinha a ver com o que ela estava fazendo na época. Segundo a cantora, é comum, no seu processo de composição, que ela deixe uma música “descansar”. Ou seja, ela escreve a música e fica um tempo meditando em cima dela, sem gravar ou definir os arranjos. Eventualmente, nesse período de “descanso” da música, uma voz suspirou no ouvido da compositora dizendo “Elza” e “Na Pele”. Com o tempo, Pitty percebeu que seria a música perfeita para Elza cantar e ofereceu a música para a ela, para que fizesse com a canção o que bem entendesse. O que Elza queria fazer era uma parceria e Pitty, lisonjeada, aceitou.

Siga o link abaixo e ouça essas duas divas cantarem juntas em “Na Pele”.

https://ElzaSoaresePitty.lnk.to/NaPeleSinglePR

Você sabia que a Pitty foi a primeira artista a participar do Estúdio Showlivre? Confira a passagem mais recente dela por aqui:

Músicos homenageiam Luiz Melodia nas redes sociais

Com a notícia trágica da morte de Luiz Melodia, muitos de seus amigos músicos prestaram homenagem ao mestre. Embora seja com muita tristeza que Luiz nos deixa, as mensagens calorosas servem para nos consolar neste momento difícil.

O showlivre.com teve o privilégio de acompanhar Luiz Melodia em alguns de seus shows. Veja abaixo alguns vídeos que capturamos do mestre em ação. Descanse em paz, Luiz.

 

Três versões para o clássico “The Boxer” de Paul Simon

Toda música, não importa o quão específico você escolha ser, vai ter interpretações inusitadas quando cair nos ouvidos do grande público. Talvez o exemplo mais sombrio desse fenômeno seja a interpretação que Charles Manson deu à música “Helter Skelter”, dos Beatles. Longe de ser a intenção do compositor, Manson inferiu que as letras falavam sobre uma guerra de raça, entre racistas e não racistas, que aconteceria em um futuro pouco distante. Loucura total. Mas não é dessa música que vamos tratar nessa edição de “Três Versões”. Nós vamos tratar da música “The Boxer”, da dupla Simon and Garfunkel.

Paul Simon conta que escreveu a letra direcionada aos que lhe atacavam. Na letra ele fala da pobreza e dificuldade de um eu lírico que tenta uma vida em Nova York. Se sentindo sozinho, em um ponto na música ele diz que apenas as prostitutas o chamam para conversar. A música então vai de um relato na primeira pessoa para a terceira pessoa, onde Simon descreve um boxeador, que, apesar das porradas, consegue se manter em pé.

Simon and Garfunkel

A versão original é a mais conhecida. Tem tudo que é de se esperar de uma balada folk/rock da dupla. Um violão constante, as duas vozes cantando em perfeita sincronia e um refrão impossível de se tirar da cabeça.

Bob Dylan

Uma das interpretações feitas dessa música era que se tratava de uma crítica ao músico Bob Dylan. Nessa interpretação, o refrão “lie-da-lie” significaria “mentira”, já que a palavra inglês para mentira é “lie”. Segundo os que acreditavam nisso, Simon estaria dizendo que Dylan mente nas suas músicas. O próprio Simon, porém, diz que o refrão não se trata disso e que, na verdade, não significa nada. Foi apenas uma maneira bonita de cantar a melodia, usando a voz puramente como um instrumento. Enfim, talvez por causa disso, Dylan acabou gravando a música no disco Self-Portrait, no qual ele faz um dueto com si mesmo:

Emmylou Harris

Escolher três versões para esse clássico não é fácil, já que tanta gente já fez uma versão. No terceiro lugar, fizemos questão de escolher uma mulher. Escolhemos a versão da Emmylou Harris, que dentre todas as outras listadas, é quem fez a versão mais animada.

Denilson canta em clipe da Turma do Pagode

O jogador de futebol e comentarista Denilson aparece no novo clipe da Turma do Pagode. O clipe tem um tom de humor onde o jogador é empurrado no palco para cantar com o grupo. O clipe conta uma história onde o vocalista original da música, o Leíz, está distraído curtindo um amor e esquece que tem show da sua banda. Por isso, o grupo coloca Denilson como cantor substituto. Em casa, com sua namorada e um balde de pipoca, Leíz finalmente vê o grupo ao vivo com Denílson e se lembra que tem um show para fazer. Ele sai correndo pro show e chega a tempo para cantar com seu grupo.

O penta campeão mundial Denilson é cunhado de Zezé Di Camargo e Luciano, ícones da música sertanejo. O jogador, porém, conta que a sua verdadeira paixão é o pagode. Confira o clipe de “Cobertor de Orelha” e a passagem  do grupo pelo Estúdio Showlivre (infelizmente sem Denilson).

Três versões para “Sina” de Djavan

Algumas músicas são eternas. Já ouvi dizer que tem gente que acha as letras do Djavan incompreensíveis. Humildemente, devo discordar. Ainda que eu não vá me colocar na posição de te explicar, linha por linha, o que significam. Fica ao ouvinte tirar algum sentido daquilo, ou não. Para mim, por exemplo, sempre fez sentido o verbo “caetanear”, que Djavan inventou na música “Sina”. “Caetanear o que há de bom” me remete ao que os tropicalistas fizeram com o samba. “Alegria, Alegria”, por exemplo, é uma marchinha de samba, ela tem essa estrutura. Caetano pegou esse formato e fez com instrumentos elétricos e com uma letra subversiva, algo de novo na música. Ou seja, “caetanear o que há de bom” não significa nem melhor ou piorar o que já é bom, é “caetanear”, é fazer diferente. O showlivre.com reuniu três versões do clássico “Sina” para mostrar como outros artistas “caetanearam” essa mesma música.

  1. Djavan

Como sempre, começamos com a original. É sempre difícil fazer melhor que a original. No caso de “Sina”, os arranjos originais de Djavan definem a composição de maneira perfeita.

  1. Caetano Veloso

Já que estamos falando tanto em “caetanear”, não podia faltar a versão do próprio Caetano. Ele fez essa versão, obviamente, por que gostou de ser citada nela. Djavan é um desses artistas que, embora seja mais novo, sempre pareceu estar à altura de Gil, Caetano e Bethânia. Essa versão demonstra isso.

  1. Pagan John

Essa versão pegou a música de Djavan, levou até os Estados Unidos para se banhar em um mar de country/folk, e trouxe de volta. Vale a pena escutar, será a mais louca versão para “Sina” que você vai ouvir na vida.

Jack Johnson fará dois shows no Brasil em novembro

Em seu site oficial, Jack Johnson acaba de confirmar dois shows no Brasil em novembro. O primeiro acontece no dia 5, no Rio de Janeiro, na Jeunesse Arena, e o segundo, no dia 7, em São Paulo, no Espaço das Américas. A pré-venda de ingressos começa no dia 4 de agosto, com exclusividade para clientes do Banco do Brasil. A venda geral começa a partir do dia 7 de agosto. O preço do ingresso vai de R$ 180,00 a R$ 460,00.

O novo disco de Johnson chega só em setembro. Porém, ele já lançou esse ano um single que dá um gostinho daquilo que está por vir. Abaixo, o clipe da música nova, “My Mind Is For Sale” – ou, em bom portugês, “Minha Mente Está a Venda”.

Serviço – Jack Johnson no Brasil
05/10: Jeunesse Arena – Rio De Janeiro
07/10: Espaço das Arenas – São Paulo
Preço: R$180 a R$460
Site: http://www.livepass.com.br/event/jack-johnson/

A banda Maneva surpreende casal com cerimônia de casamento

Para o novo clipe do Maneva, a banda procurava uma singela e autêntica expressão de amor. Para isso, eles dispensaram uma grande produção, roteirista, atores e qualquer artifício desse tipo. Eles acharam um casal apaixonado que estão há 16 anos juntos e realizaram o desejo deles de ter a cerimônia de casamento que nunca tiveram. Os protagonistas do clipe, Sandra e Wildner Deolindo, foram pegos de surpresa com o comprometimento da banda em fazer esse sonho se transformar em realidade.

O resultado é um clipe tenro, cujas imagens sinceras mesclam perfeitamente com a música da banda. O nome da música é “Seja Pra Mim (Acústico)” e o clipe já está disponível para alegrar o seu dia. Aproveite e assista também o show de Maneva aqui no Estúdio Showlivre.

Rappers brasileiros se unem para lançar um “cypher”

Não sabe o que é um “cypher”? Calma, até pouco tempo eu não sabia também. É bem simples, um cypher se trata de uma música em que vários MC’s colaboram com a letra. O cypher parece uma batalha de rap, com um MC seguindo o outro com sua rima. Mas, no caso do cypher, não há competição. Ou seja, todo mundo ganha. Com certeza você se lembra de ouvir músicas onde rappers colaboraram um com o outro. Por exemplo, a música “Still D.R.E”, do Dr. Dre, conta com a participação do Snoop Dogg. É uma música do Dre e o Snoop faz apenas uma participação. Já no cypher, todo mundo que participa é creditado com o mesmo peso, é uma obra de todos igualitariamente.  Artistas brasileiros que já lançaram cyphers incluem o veterano MV Bill e Rincon Sapiência. Recentemente Rincon passou pelo showlivre.com e foi um estouro.

O mais novo cypher da cena do hip hop brasileiro tem a participação de Adonai CVS, Tribo da Periferia, Chino, Pedro Qualy e RZO. Quem assina a produção da música é o DJ Coala. O lançamento do cypher se destaca por ter um clipe de alta qualidade que acompanha a música. Veja abaixo o clipe e a passagem do Haikaiss, grupo do Pedro Qualy, no Estúdio Showlivre.

Filipe Ret lança clipe para “Chefe do Crime Perfeito”

Os preconceituosos que se cuidem, o rapper Filipe Ret acaba de lançar seu mais novo clipe. Como já havia feito antes, nessa música o rapper faz uma colaboração com o funk carioca. Quem abre a faixa é o MC Cidinho. Filipe explica a sua mistura de rap e funk da seguinte maneira:

“Meu rap bebe da mesma fonte que o funk carioca. O Rio de Janeiro criou o gênero da cultura urbana mais popular e autêntico do país, mas que sempre foi rejeitado, esculachado, simplesmente porque nasceu do povo e exalta a verdade do carioca: caótica e cheia de paradoxos”.

Parece que a ideia está trabalhando a seu favor. A última música de Filipe teve mais de 18 milhões de visualizações no Youtube. Veja o clipe novo e a passagem do rapper por nossos estúdios.

Nato Medrado lança novo disco internacionalmente

Armada Music é selo e gravadora neerlandesa especializada em lançar discos de música eletrônica. É um dos selos mais elogiados do gênero no mundo e todo ano parece acumular mais prêmios. O DJ Nato Medrado é o primeiro músico brasileiro a ter um disco lançado pela Armada. Isso porque o disco dele tem algo de especial, vale a pena conferir.

No disco, Nato não se prende a nenhum subgênero do eletrônico. Ali você vai encontrar de tudo, de techno a dance, de progressive a, até mesmo, rock. O DJ faz essas misturas ecléticas com confiança e o resultado, por incrível que pareça, é um disco coerente, apesar das mudanças estilísticas. Ouça abaixo o disco de Nato e veja você mesmo por que o DJ adentrou um dos selos internacionais mais legais da música eletrônica.