Bloco Unidos do Swing promove jazz tradicional no Carnaval

Encontro de Mardi Gras e Carnaval brasileiro será realizado nos dias 27/02 e 05/03, em São Paulo


Jazz tocado com instrumentos brasileiros e marchinhas tocadas com instrumentos de jazz. Passistas vestidos como dançarinos de Lindy Hop – dança que acompanhava as orquestras de swing jazz nos Estados Unidos dos anos 30. Esse é o cenário promovido pelo Bloco Unidos do Swing, presente no Carnaval de São Paulo desde 2015.

É uma união do “Mardi Gras com o Carnaval brasileiro”, segundo Henrique Mendonça, um dos fundadores e um dos regentes do bloco. Ele se refere à famosa festa de carnaval realizada na cidade norte-americana de Nova Orleans. O repertório do bloco é composto por músicas autorais, temas consagrados do jazz como “When The Saints Go Marching In”, versões de Duke Ellington, Glenn Miller, Louis Prima, Rebirth Brass Band e Herbie Hancock, além de marchinhas, baiões e outros ritmos brasileiros.

Criado no fim de 2014, o primeiro ensaio do bloco contou com dez músicos. Este ano terá aproximadamente 45 integrantes, entre sopros, percussão e cordas. Os ensaios são abertos e realizados durante todo o ano, nas noites de terça-feira, no vão no MASP. De acordo com Henrique, a comunidade formada em torno do grupo “prova de uma vez por todas que o jazz é acessível e popular”.

O Bloco Unidos do Swing desfila na segunda-feira de Carnaval (27/02), às 13h, da Praça Dom José Gaspar (atrás da Biblioteca Mário de Andrade) até a Ladeira da Memória. Mais informações podem ser encontradas no evento no Facebook. Depois do Carnaval, os foliões ainda podem conferir o bloco no domingo (05/03), às 14h, na Avenida Paulista, em frente ao MASP. As informações também estão disponíveis no Facebook.

Serviço – Carnaval
Data: Segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017
Hora: 13h
Local: Praça Dom José Gaspar (atrás da Biblioteca Mário de Andrade) até a Ladeira da Memória – São Paulo – SP
Site: https://www.facebook.com/events/1246693878733265/

Serviço – Pós-Carnaval
Data: Domingo, 5 de março de 2017
Hora: 14h
Local: Avenida Paulista, em frente ao MASP – São Paulo – SP
Site: https://www.facebook.com/events/1843045462631205/ 

Agendão de shows – de 24 a 28 de fevereiro

Shows selecionados pela redação e pelos Embaixadores do Showlivre para você curtir na semana


Sérgio Britto @ Sesc Santo André
Com 34 anos de carreira, o compositor, cantor e instrumentista Sérgio Britto, dos Titãs, tem em seu repertório músicas como Flores, Marvin e Homem Primata, entre outras composições.
24 de fevereiro, 21h
Sesc Santo André
Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar, Santo André/SP
R$ 9 a R$ 30

Soweto @ Villa Carioca Interlagos
No show no palco do Villa Carioca Interlagos,o grupo promete um show recheado de sucessos como:Mundo de Oz,Momentos,Imaginação,É Tudo,Farol Das Estrelas, e Tempo de Aprender.
25 de fevereiro, 13h
Villa Carioca Interlagos
Av. Atlântica, 3797 – Interlagos, São Paulo – SP
R$25 a R$30

Ocupação Rap de Carnaval @ Disjuntor
Evento reúne Msário e Slim Rimografia (26), Rashid e convidados (27), Rincon Sapiência e Rimas & Melodias (28), além de discotecagem no vinil nos 3 dias.
26, 27 e 28 de fevereiro, 19h30
Disjuntor
Rua da Mooca, 1747 – Mooca, São Paulo (SP)
R$25



francisco, el hombre @ Sesc Santana
Em turnê pelo Brasil com SOLTASBRUXA, seu primeiro disco cheio, a francisco, el hombre faz dois shows como parte da programação de Carnaval do Sesc Santana.
27 e 28 de fevereiro, 19h
Sesc Santana
Avenida Luiz Dumont Villares, 579, Santana, São Paulo – SP
R$ 7,50 a R$ 25

+Música by Maah Music: Héloa, Labaq, Projeto de Lazare, Gabi e os Supersônicos

Uma leva de clipes e sons bons na coluna da semana da Maah


Héloa | @heloaholandaofc
Ela é uma arista por completo. Por vários motivos que vou contar na próxima matéria, porque hoje eu vim mostrar para vocês a maravilhosa música e o clipe lindo da canção “Calei”. Seu álbum, Eu, recém lançado, é uma espécie de autorretrato de uma artista em movimento, de voz quente, sotaque e personalidade marcantes. Nas 10 faixas do disco ela revela um manifesto de afirmação estética. O primeiro single, “Calei”, já ganhou um videoclipe que você conferir agora: dá o play galera.

LaBaq | @labaq_
A voz dela me emociona demais. Já se foram alguns meses desde o lançamento de Voa, primeiro disco da compositora, guitarrista e cantora LaBaq, recentemente venho pro mundo seu primeiro clipe, dando vida em imagem à música “Vida Que Segue”, segunda faixa do álbum.
Produzido em Setúbal/Portugal pela equipe da Garagem – produtora portuguesa – e dirigido pelo também português Pedro E. Semêdo, o conteúdo é peculiar: LaBaq cortando seus dreads, símbolo que até então era muito forte em sua imagem e a artista explica o motivo em algumas palavras:
“Fui vendo que já estavam me associando muito àquela imagem e isso me incomodava um pouco, sabe? Preferia deixar as pessoas acostumadas a algo que estivesse em constante mutação – pois eu sou assim em essência, amo o movimento – do que me apoiar cada vez mais aos dreads e, às vezes, ficar resumida à imagem.
Foi extremamente libertador poder cortá-los, acho que o vídeo, que é um plano sequência, passa essa leveza de sair desse lugar e começar em um novo, muito feliz com o resultado!”
O clipe foi feito durante a última tour da jovem artista pelo continente europeu no outono de 2016, mesmo ano de lançamento do cd e a música ainda conta com a participação da rapper inglesa LyricL. DÁ O PLAY JÁ!

Projeto de Lazare
Eita felicidade minha gente \o/. A banda Projeto de Lazare lançou no último dia 06 o seu álbum de estreia intitulado 1. O grupo formado por Rafael De Lazare (Voz/Violão/Guitarra), Douglas Gomes (Bateria), Rodrigo Antonio (Teclados), Rodrigo Santana (Baixo) e Vinícius Hess (guitarra), mistura elementos do Rock, Soul, Funk e Blues em seu projeto independente. A música escolhida para o clipe foi a faixa “Good Liar” e foi assinada pela produtora por Los Santos. DÁ O PLAY E AUMENTA O SOM #lestgo.

Gabi e os Supersônicos
Não tem como não gostar, é inacreditável como virei fã. Após lançar dois materiais oficiais ao longo do ano, a banda Gabi e Os Supersônicos aposta num lyric vídeo para divulgar sua nova música de trabalho. A faixa Melodia Livre ganhou uma produção exclusiva que expressa todo sentimento e sensibilidade da canção.
O curta alterna takes da vocalista e banda, cantando e interpretando. O trecho “O exercício do isolamento só comprova a necessidade humana da união” por exemplo, demostra a profundidade da letra, que fala sobre liberdade, amor e união.
O single faz parte do recém-lançado EP homônimo do quarteto. O material conta com seis faixas autorais e está disponível em todas as plataformas de streaming.
A banda Gabi e Os Supersônicos é formada por Gabi Albuquerque (voz, violão e percussão), Breno Oliveira, na guitarra, Paulo Navarro (bateria) e Rafael Nascimento, baixo.
Vamos parar com esse blá, blá, blá e aperte o play \o/

Maah Music


Falae Maah!

Sou conhecida como Maah Music! Sou viciada em música e, hoje em dia, ela é como respirar pra mim. Não importa qual show é, eu sempre estou lá na frente do palco, pelo meu vício e minha necessidade de ouvir música; música só de qualidade!

+da Maah Music
Blog
Facebook
Twitter
Instagram
Soundcloud

Scott Patterson, ator de Gilmore Girls, fala sobre sua carreira musical

Em entrevista exclusiva, ator que interpreta Luke Danes revela a banda SMITHRADIO

Um frenesi tomou conta dos fãs da série Gilmore Girls no fim de 2016, por ocasião dos quatro episódios inéditos lançados na Netflix sob o nome “Gilmore Girls: Um Ano para Recordar”. A série original foi ao ar entre 2000 e 2007 e os novos episódios estrearam no dia 25 de novembro de 2016. Dois dias antes – em uma data estratégica – um novo single debutava no iTunes e alcançava o primeiro lugar no ranking de Indie Rock: “Haha Song”.

Essa foi a primeira música do SMITHRADIO, banda de Scott Patterson, ator que interpreta Luke Danes em Gilmore Girls. No vídeo a seguir, você confere destaques da carreira musical do ator, e na sequência, confere a transcrição completa da entrevista realizada com exclusividade pela redação do showlivre.com. 

 

Por que demoramos um pouco para ouvir sobre o seu lado musical? Houve outros esforços sérios para divulgar seu trabalho musical no passado?

De 1995 a 2000 eu estava trabalhando muito duro tentando fazer minha música acontecer. Eu estava escrevendo todos os dias, tocando em qualquer lugar que eu pudesse, fosse só eu e uma guitarra ou acompanhando um cantor. É importante botar a cara para fora e tocar ao vivo. Não importa o tamanho da plateia. Se há dois ou dois mil você tem que entretê-los. Eu estava tocando plugado algumas vezes por semana em Los Angeles, especialmente nas noites de segunda-feira, no Kibbitz Room, onde você podia se ver no palco com algumas grandes lendas. Praticamente uma jam aberta onde, de repente, você vira para a esquerda e lá está o guitarrista do Red Hot Chili Peppers ou alguém do Pearl Jam. Uma sensação incrível. Você aprende que eles são apenas caras querendo tocar como você. Não há arrogância ou narizes empinados. Eles só querem tocar livremente, por amor. Isso é o que eu amo tanto sobre tocar ao vivo, é a camaradagem.

Enfim, eu formei algumas bandas e nenhuma delas aconteceu por uma razão ou outra. Foram boas bandas. Nós tocávamos minhas músicas, os integrantes as amavam e nós tocávamos para qualquer plateia que nos quisesse. Apenas não era o momento certo para mim. Esse foi o tempo para aprender o ofício e ganhar experiência frente a uma audiência ao vivo. Não aconteceu para mim, então, porque não era para ser. É assim que eu encaro.

Em uma entrevista recente, você disse que precisava de alguns momentos para voltar ao personagem de Luke Danes em “Gilmore Girls: Um Ano para Recordar” porque você mudou ao longo dos anos. O que mudou em sua música desde que começou a compor?

A maior mudança na minha composição tem sido simplificar minha abordagem para o que eu estiver sentindo no momento em que me preparo para escrever. Quando eu era muito jovem – e estamos falando de treze anos de idade aqui – e apenas começando a escrever canções, eu simplificava e permitia tudo o que quisesse sair que saísse da maneira que quisesse. Eu não julgava ou editava de qualquer maneira. Essa coisa inicial, crua, ERA a música para o bem ou para o mal. À medida que fui envelhecendo, fui escrevendo canções maiores, mais complexas, que saíam dessas tangentes e, então, o grande desafio era trazê-las de volta para o verso sem que ficassem muito discordantes do plano inicial. Esse tipo de escrita é muito difícil, mas emocionante se você consegue. Nos últimos dez anos, mais ou menos, eu voltei para a simplicidade, ainda mais bem recentemente. Na minha opinião, há mais poder em uma canção simples, que tem especificidade e um núcleo sólido de trabalho dentro. Estou escrevendo muitas dessas músicas e, quando elas funcionam, elas são muito poderosas.

Por que você desistiu do nome “Gordon” para a banda?

“Gordon” teve que ir embora porque havia uma outra banda com o mesmo nome. Eu estava dando uma grande entrevista de rádio em agosto de 2016, antes de um show em Nova Jersey e o locutor disse: “Ei, Scott, bem-vindo ao programa! Estávamos tocando seu EP antes da entrevista e não era nada do que eu esperava. Meio punk rock! É isso aí, cara!”. Eu lhe disse que não tínhamos lançado um EP ainda e ele disse: “Meu Deus, me desculpe! Eu achei que este Gordon era você!”. Rs!

Eu não queria que os fãs ficassem confusos e decidi criar outro nome. Patti Smith sempre foi uma grande inspiração para mim desde a minha adolescência e alguns dos meus melhores momentos da juventude vieram de vê-la ao vivo e de fato encontrá-la e conversar com ela. Eu a descobri no rádio, nos anos 70. A rádio WMMR, na Filadélfia, transmitia seus shows ao vivo de vez em quando e eu ficava acordado até tarde para escutar, mesmo tendo aula no dia seguinte. Daí o nome SMITHRADIO. É uma homenagem à minha maior inspiração. Esses shows me transformaram tanto porque Patti cresceu no sul de Nova Jersey, perto da estrada onde eu cresci. Eu pensei que seria incrível se eu pudesse escrever e tocar daquele jeito. Assisti-la ao vivo era uma experiência religiosa. Toda vez. Eu assisti shows dela várias vezes nos anos 70 e o impacto desses shows ainda está comigo. Talvez, parte da razão deles terem sido tão emocionantes seja o fato de que eu tinha quinze anos, uma faixa etária bem abaixo da idade de admissão legal para entrar nas casas de show onde ela tocava – The Bottom Line, The Cellar Door etc. A coisa toda era emocionante.

Eu sei que você provavelmente já ouviu essa pergunta, mas você acha que Luke Danes gostaria de SMITHRADIO?

Sim, Luke ama SMITHRADIO mais do que tudo. Ele é uma groupie enrustida, se você quer saber. Amo o cara. Posso contratá-lo para ser meu técnico de guitarra na turnê porque acho que ele está ficando um pouco cansado de se sentir como uma bola de pingue pongue em Stars Hollow. Rs!

Como os membros da banda se conheceram?

 A banda está passando por mudanças de pessoal no momento e voltarei neste tópico com você no futuro.

Quando o primeiro álbum do SMITHRADIO será lançado? Como foi o processo de escolha do repertório?

Um EP de seis canções está quase pronto. Eu quero que fique ótimo, então não estou correndo com as coisas, mas está quase pronto. Estou esperando para ouvir as últimas mixagens de duas músicas e eu não poderia estar mais animado. Elas podem ser maiores do que “Haha Song”, uma canção difícil de superar. Eu escolhi as músicas que pensei que iriam equilibrar uma progressão de seis músicas e que também têm a melhor chance de competir com “Haha Song”, ao mesmo tempo que não tentariam duplicá-la. Eu espero que as pessoas amem o EP da mesma maneira que nós amamos gravá-lo. Realmente foi e é uma experiência mágica. Eu continuo me beliscando porque tantas grandes pessoas estão reforçando esse processo.

Em outra entrevista recente, você falou sobre shows beneficentes nos quais vai tocar com Patti Smith, sua maior influência. Foi ela que entrou em contato com você? Como foi esse momento?

Ainda não tenho detalhes sobre os shows beneficentes com Patti. Eu me comprometi a tocar com ela em 5 de novembro de 2017, mas não tenho detalhes para contar agora sobre onde será e quem mais tocará. Vou informá-lo assim que eu souber algo mais sólido.

Agendão de shows – de 17 a 23 de fevereiro

Shows selecionados pela redação e pelos Embaixadores do Showlivre para você curtir na semana


Samuca e a Selva @ Auditório Ibirapuera
Em um show dançante de cerca de 1h40, o coletivo se apresenta com carisma e intensidade, propondo uma experiência imersiva à platéia.
17 de fevereiro, 21h
Auditório Ibirapuera
Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – São Paulo-SP
R$ 10 a R$ 20

Dead Fish @ Lado B
A Mundo Alternativo traz novamente ao ABC uma das maiores bandas do hardcore nacional: Dead Fish!
17 de fevereiro, 22h
Lado B
Rua Rio Grande do Sul, 73 – São Caetano do Sul-SP
R$ 40

Mato Seco @ Jai CLub
O Mato Seco apresenta em São Paulo o novo show intimista chamado LADO 7.
17 de fevereiro, 23h
Jai CLub
Rua Vergueiro, 2676 – Vila Mariana, São Paulo-SP
R$ 25 a R$ 35

Esteban @ Hangar 110
Esteban Tavares, de volta ao Hangar110 nesse último ano de funcionamento da casa.
18 de fevereiro, 19h
Hangar 110
Rua Rodolfo Miranda, 110 – Bom Retiro, São Paulo-SP
R$ 25 a R$ 50

Zimbra @ Jai Club
Zimbra faz o primeiro show do ano, logo após ter recebido o Prêmio Pindorama como revelação.
18 de fereiro, 17h
Jai CLub
Rua Vergueiro, 2676 – Vila Mariana, São Paulo-SP
R$ 30 a R$ 50

Supla no Estúdio Showlivre está disponível nas plataformas digitais

A apresentação do Supla no Estúdio Showlivre está disponível para streaming e download nas principais plataformas digitais


Supla apresentou as faixas de Diga o Que Você Pensa, seu novo álbum solo, no Estúdio Showlivre, dia 19 de janeiro de 2017. Você pode ouvir e baixar nas principais plataformas digitais. Clica aí!

Napsterhttp://bit.ly/2l3jraL
Deezerhttp://bit.ly/2lhlMzc
iTuneshttp://apple.co/2kprmiT
Spotifyhttp://spoti.fi/2l4GBga
Google Playhttp://bit.ly/2l3Aj19
Tidalhttp://bit.ly/2l3tooP
Amazonhttp://amzn.to/2lgVa4k
Groovehttp://bit.ly/2l3jzXN

O cantor e compositor Supla celebra 30 anos de carreira com o lançamento de Diga o Que Você Pensa, seu novo álbum solo. O músico, que em 30 anos já lançou dois discos com a banda Tokyo, três com o Brothers of Brazil e um com o Psycho 69, chega ao seu sétimo trabalho solo.
O álbum tem 13 músicas, compostas pelo próprio Supla – que contou com parceria nas letras de Tatiana Prudencio Torrez, Fabio Bopp e da norte-americana Victoria Petrusky. Diga o Que Você Pensa já rendeu 5 clipes, sendo eles: “Parça da Erva”, “Diga o Que Você Pensa”, “Amor Entre Dois Diferentes”, “Trump Trump Trump” e “Anarquia Lifestyle”.

Otto exala espontaneidade no Sesc Pinheiros, em São Paulo

Apresentação divulgou vinil do celebrado Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos


Há dois tipos de atitude quando se trata da postura de um artista em cima de um palco. Há aqueles como Lady Gaga, responsáveis por apresentações executadas com perfeição, nas quais mínimos detalhes são ensaiados à exaustão e culminam em espetáculos como o show do intervalo da final do Super Bowl. E há também quem se paute única e exclusivamente pela espontaneidade. Como diz uma amiga, pela “naturalidade que traz paz pro coração”. No último sábado, dia 11 de fevereiro, em São Paulo, Otto aparentou espontaneidade desde o primeiro momento.

O ambiente do Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, poderia sugerir que este era um show para se assistir sentado, mas o público já recebeu o cantor em pé desde “Crua”, primeira música do show. Embora ovacionado com reverência, Otto não age como uma vítima da grandiosidade de sua própria obra. Não tem caetanismos. Parece desencanado e espontâneo quando vira um copo de água sobre sua cabeça ou rebola curtindo seu próprio som.

O show teve como objetivo divulgar a edição em vinil do inquestionável álbum Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos (2009). O trabalho foi interpretado do começo ao fim, e é interessante observar a execução de um disco tão denso oito anos após o seu lançamento. Otto parece cantar com serenidade, mais preocupado em dançar e correr de um lado para o outro do palco do que em vomitar sua alma. Até porque, não precisa de muito para isso. Otto é pura alma.

Embora ouvir o álbum Certa Manhã… ao vivo seja uma experiência maravilhosa, a diversão mora, em boa parte, nas espontaneidades da alma de Otto. Por exemplo, na gratidão expressa inúmeras vezes pela plateia lotada. Na maneira como chama ao palco Julia Valiengo, da Trupe Chá de Boldo, para acompanhá-lo: “Me ajuda, Julia! Me ajuda!”. Quando relembra suas próprias letras, anotadas sem cerimônia em um suporte de partituras. Ou quando aproveita o intervalo entre as canções para comentar: “Esta semana eu vi dois filmes: ‘La La Land’ e ‘Eu, Daniel Blake’. Um para esquecer a vida e outro para ver como é a vida” – o comentário, sem uma conexão obrigatória com o momento, atesta que a espontaneidade impera.

Após o repertório do disco lançado em vinil, Otto e a banda Jambroband – formada por Marco Axé e Malê (percussão), Junior Boca e Guri Assis Brasil (guitarras), Bactéria (teclados), Hugo Carranca (bateria) e Meno del Picchia (baixo) – desfilaram sucessos como “Ciranda de Maluco” e “Cuba”. E terminaram com um justo tributo a Chico Science & Nação Zumbi, com “Da Lama Ao Caos” e “A Praieira”, não sem antes entoarem um pot-pourri de cantigas do candomblé. Talvez não saia com a perfeição de Lady Gaga, mas exala aquela naturalidade que traz paz para o coração.

Fotos: Laís Aranha (www.laisaranha.com).

La Maison Renault promove cultura, design e gastronomia na Oscar Freire

De 18.02 a 12.03 La Maison Renault oferece programação plural que inclui jantar de Claude Troisgros, shows de Marina de La Riva, Chico Chico, Ana Cañas, festa do Tarado Ni Você, galeria com obras do artista plástico Speto e cinema silencioso


Para marcar o lançamento do SUV Renault Captur, um espaço de 800 m² foi construído na esquina entre as ruas Oscar Freire e Consolação, nos Jardins. O local, chamado La Maison Renault, será sede da Renault Captur Experience, que promoverá uma programação cultural plural e aberta ao público. Pesos pesados do design, da gastronomia e da cultura foram convidados para assinar a programação, que vai de 18 de fevereiro a 12 de março, com experiências que custam a partir de R$ 60,00 por pessoa. Pautada no design, a casa ainda reserva muitas surpresas, como um túnel sensorial, uma galeria e um jardim secreto que convidam o visitante a redescobrir a Renault de uma forma descontraída. O local conta ainda com um café Le Pain Quotidien, além de abrigar uma suíte conceito do hotel Pullman. La Maison Renault fica aberta das 10h às 22h, de terça a sábado, e das 10h às 20h, aos domingos. A programação completa estará disponível no site http://www.renault.com.br/capturexperience. Os ingressos para as experiências podem ser adquiridos a partir de 10 de fevereiro.

“Inovação, contemporaneidade e design são atributos da marca Renault presentes em nosso novo lançamento no Brasil, o Captur. Para materializar isso, criamos esse espaço com programação pulsante e aberta ao público, em um verdadeiro convite para redescobrir a Renault”, explica Cláudio Rawicz, gerente de marketing da Renault.

Um time de curadores foi chamado para assinar a programação do espaço. As atrações musicais foram pensadas pela Rádio Vozes, de Patricia Palumbo, e também pela plataforma musical Sofar Sounds. A gastronomia leva a assinatura da FoodPass. A programação cinematográfica é do acervo da Paris Filmes. As artes visuais ficam por conta do artista plástico Speto. O espaço ainda vai contar com a Renault Store, uma loja com produtos exclusivos da marca, como peças assinadas pela grife A La Garçonne (Alexandre Herchcovitch e Fábio Souza), objetos do designer e arquiteto Maurício Arruda e itens do projeto Casa de Costura, da Associação Borda Viva, apoiada pelo Instituto Renault. No jardim, ainda tem uma casa na árvore com brinquedos da Xalingo e atividades para as crianças aos sábados e domingos. A criação e produção da La Maison Renault é de Rafa Parras e André Lanza, do GrupoA Comunicação, uma agência boutique especializada em projetos diferenciados de branding experience.

La Maison Renault ainda conta com um espaço inusitado, uma suíte projetada pelo arquiteto Roberto Baldacconi em parceria com a rede de hotéis Pullman. Os hóspedes terão café da manhã na suíte, que será equipada com 2 TVs, Wi-Fi, amenities Co Bigelow, cafeteira Nespresso, roupões e roupas de cama Trousseau. O ambiente moderno e aconchegante também traz obras do artista plástico Luca Ewbank e pode ser visitado pelo público.
A atriz Marina Ruy Barbosa, estrela da campanha de lançamento do novo SUV, será a embaixadora da Renault Captur Experience.

A programação completa, que conta com shows de Marina de La Riva, Chico Chico, Marcelo Jeneci, Tiê, Mahmundi, Claude Troisgros e mais, poderá ser visto no site: http://www.renault.com.br/capturexperience

++ Marina de La Riva no Estúdio Showlivre

++ Marcelo Jeneci no Estúdio SHowlivre

++ Tiê no Estúdio Showlivre

Bloco da Muda debuta no pré-Carnaval paulistano

A bateria do bloco é formada por 132 novos ritmistas que se inscreveram em ação inédita e ganharam dez aulas de percussão, lecionadas por mestres carnavalescos


A data da estreia do Bloco da Muda já está marcada no Calendário Oficial de Blocos da cidade de São Paulo: dia 18/02, sábado. A partir das 14h a concentração acontece na frente do Estúdio (Av. Pedroso de Morais 1.036). O bloco vai andar pela rua Prof. Antônio Malheiros, é gratuito e promete embalar o bairro de Pinheiros com clássicos carnavalescos como: “Bandeira Branca”, “Ala Lá ô”, “Vai Vadiar”, “Cidade Maravilhosa”, “Vou Deitar e Rolar”, entre muitos outros.

Dois dias antes, acontece um ensaio aberto. No dia 16/02 (quinta-feira), na parte interna do Estúdio, os 132 integrantes da bateria do bloco serão coroados como verdadeiros ritmistas. Isso porque todos eles foram parar ali através de uma ação inédita no carnaval da cidade: a Muda Cultural abriu inscrições gratuitas para quem quisesse se aventurar na bateria de um bloco carnavalesco. Os selecionados ganharam dez oficinas gratuitas de percussão durante os meses de janeiro e fevereiro. Veja as fotos no facebook da Muda Cultural.

“Nós frequentamos e trabalhamos com blocos há alguns carnavais e sempre houve uma vontade de disponibilizar atividades de percussão gratuitas como forma de democratizar o acesso à cultura. Em 2017, felizmente conseguiremos colocar o nosso bloco na rua!”, afirma Ítalo Azevedo, da Muda Cultural.

Além do Bloco da Muda, a festa do dia 16 contará também com o bloco carioca Chinelo de Dedo, DJ Chade e A Espetacular Charanga do França: comandada pelo saxofonista e compositor Thiago França (Metá-Metá), que propõe uma releitura das tradicionais charangas brasileiras com a inclusão de ritmos como: cumbia, maxixe, samba e ragga, entre composições próprias e clássicos. São 7 músicos de sopro e percussão.

Sobre a ação:
Mais uma vez a Muda Cultural começa o ano com novidades para o Carnaval paulistano. O Bloco da Muda vai estrear nas ruas de São Paulo durante o pré-carnaval com uma bateria composta por 132 ritmistas que se inscreveram de forma gratuita e ganharam dez oficinas de percussão durante os meses de janeiro e fevereiro.

O projeto – que é uma continuação do Carnaval da Muda 2016 – conta com o patrocínio da 51 Ice, realização da Muda Cultural, apoio do Samba em Rede e parceria da 3 apitos.

“O Carnaval de Rua de SP tem tudo para se tornar o maior Carnaval do Brasil, é o evento mais democrático que a cidade pode receber. Fazer parte deste movimento importante de ocupação do espaço público aliado a um momento de êxtase e alegria da população é sempre um prazer e uma responsabilidade”, aponta Ítalo Azevedo, da Muda Cultural.

As oficinas estão sendo comandadas pelo mestre carioca Rodrigo Moreira, idealizador do bloco Chinelo de Dedo e integrante do bloco Quizomba. Além de diretor artístico do Bloco da Muda, Moreira ensina a tocar surdo. Os outros professores que lecionam os ritmos base para o repertório de samba e marchinhas são: Brena de Jesus (agogô), Raphael Moreira (repinique), Willian GP (chocalho), Pedro Moreira (tamborim) e Juninho Percussa (caixa).

O objetivo é fazer com que os alunos terminem as dez aulas de percussão tocando clássicos carnavalescos.

Serviço:
Ensaio Aberto
16 de fevereiro, 20h
Estúdio
Av. Pedroso de Morais, 1036 – Pinheiros
Artistas convidados: Espetacular Charanga do França, comandada pelo instrumentista Thiago França (Metá-Metá), Bloco Chinelo de Dedo (RJ) e DJ Chade
R$ 5 a R$ 10
https://www.ingresse.com/ingressos-bloco-da-muda-convida-2017

Desfile do Bloco da Muda
18 de fevereiro, 14h
Concentração na frente do Estúdio
Av. Pedroso de Morais, 1036 – Pinheiros
Gratuito

Agendão de shows – de 10 a 16 de fevereiro

Shows selecionados pela redação e pelos Embaixadores do Showlivre para você curtir na semana


Nomade Orquestra @ Auditório Ibirapuera
Show do disco homônimo contará com projeções audiovisuais e performances
10 de fevereiro, 21h
Auditório Ibirapuera
Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº – Parque do Ibirapuera, São Paulo – SP
R$10 a R$20

Terra Celta @ Sesc Santo André
Grupo mistura música folclórica europeia à sonoridade brasileira e se destaca pela irreverência.
10 de fevereiro, 21h
Sesc Santo André
Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André
R$ 6 a R$ 20

MX @ Sesc Santo André
Um dos principais representantes do thrash metal nacional, grupo volta a se apresentar em sua cidade natal após 20 anos
11 de fevereiro, 20h
Sesc Santo André
Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André
R$ 6 a R$ 20

Héloa @ Itaú Cultural
Cantora lança seu novo álbum em show gratuito na cidade de São Paulo
12 de fevereiro, 19h
Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149 – Estação Brigadeiro do Metrô, São Paulo-SP
Entrada gratuita

Ben Roots @ Fnac Morumbi Shopping (14/02) e Fnac Pinheiros (16/02)
O cantor e compositor mineiro Ben Roots apresenta as novas músicas do seu terceiro álbum
14 e 16 de fevereiro, 20h e 19h30 respectivamente
Fnac Morumbi Shopping
av. Roque Petroni Júnior, 1089, São Paulo – SP
Fnac Pinheiros
Praça dos Omaguás, 34, São Paulo – SP
Entrada gratuíta em ambos