Bastidores do Angra acústico no Estúdio Showlivre

Em formato acústico, o grupo de heavy metal melódico Angra passou pelo Estúdio Showlivre no dia 28 de setembro de 2010. Com violões em punho, Edu Falaschi (vocal), Rafael Bittencourt (guitarra) e Felipe Andreoli (baixo) apresentaram canções do novo disco, “Aqua”, e outros sucessos. Neste making of, Rafael Bittencourt quase cai do banco cenográfico e Clemente Nascimento jura cinegrafista de morte. Tudo, é claro, na brincadeira.

Supersuckers em São Paulo

Supersuckers durante show em São Paulo. Foto: Eduardo Luderer

Eddie Spaghetti, do Supersuckers, ao vivo no CB. Foto: Eduardo Luderer

Supersuckers durante show em São Paulo. Foto: Eduardo Luderer

Cinegrafista do Showlivre.com, Eduardo Luderer também é fotógrafo e registrou o show dos norte-americanos do Supersuckers em São Paulo. Com a palavra, Luderer:

Na última terça-feira, o CB bar recebeu em seu palco a “maior banda de rock n’ roll do mundo”, ao menos como eles se denominam. Estou falando dos norte-americanos do Supersuckers, quarteto de coutry-punk rock formada por Eddie Spaghetti (baixo e voz), “Metal” Marty Chandler e Dan “Thunder” Bolton (guitarras) e Scott Churilla (bateria), que se apresentou diante de um público extremamente animado que lotou a casa paulistana.

A banda formada em 1988 tocou em Brasília, no festival porão do rock, e depois desembarcou em são Paulo. No repertório musicas como Coattail Rider e Pretty fucked up, fizeram a alegria dos fãs, além de What Love is, cover dos Dead Boys. Para fechar a conta, Born with a tail, grande hit da banda.

A noite ainda seguiu com muito rock n’ roll com a discotecagem do DJ Tchelo Donato.

Um dia de trabalho no Showlivre

Felipe S, cantor do Mombojó: “só uso esses óculos mesmo”. Foto: Duca Mendes

Capítulo 3: “Mombojó e a brandura”

Por João Vicente Seno Ozawa*

Trabalho no setor de mídias sociais e marketing do Showlivre e, com alguma freqüência, recebo mensagens sobre como é trabalhar por aqui. Na maior parte dos casos, são pessoas que têm vontade de fazer parte da equipe e acreditam que deva ser incrível trabalhar com música o dia inteiro, só pensar nisso, só conversar sobre isso e, ainda, ganhar dinheiro com isso. Eu vou dizer que nunca trabalhei em um lugar como o Showlivre. Então, resolvi juntar o útil ao agradável e contar um pouco do meu olhar sobre o dia-a-dia que se passa aqui, episódios bacanas e, quem sabe, sanar um pouco a curiosidade dos que perguntam.

—————————————————————————-

Trabalhar no Showlivre confere uma grande vantagem ao cotidiano, que é a possibilidade de crescer seu repertório cultural, principalmente nos matizes relacionados à música. E, ao dizer isso, espero escapar de certa obviedade. Afinal, é claro que, ao trabalhar com pessoas imersas em música, descobre-se novas bandas e ouve-se canções desconhecidas. Porém, o que tento colocar aqui é, por exemplo, da ordem profunda de aprender sobre punk rock com quem ajudou a cunhar o termo neste país, e deu, assim, um teor tupiniquim ao que antes inexistia.

Na semana de 11 de agosto, o Mombojó foi um dos convidados do Estúdio Showlivre. Algumas horas antes da gravação, fomos eu, Clemente e Marcelo Shida, produtor do Showlivre.com, ao restaurante que tradicionalmente abastece de energia os habitantes daqui. Já comentei a respeito do lugar: é avizinhado por um belo e verde parque, distante da paisagem cinza que normalmente acompanha quem mora em São Paulo. E foi durante o almoço, após uma indagação minha sobre como aconteciam os encontros para audição de vinis, tempos atrás, que Shida e Clemente se encarregaram de mostrar como meu conhecimento sobre a história do punk é limitado. Ouve-se discos, assiste-se a documentários, sorve-se livros, mas nada como ouvir de quem esteve lá ou, melhor ainda, de quem fez e faz acontecer.

Terminado o almoço, de volta ao estúdio, o acaso atacou novamente (como em outras ocasiões retratadas aqui) e a van do Mombojó tratou de quebrar no caminho. Apesar disso, a banda aprumou seus instrumentos em velocidade recorde e, apesar de um choque de microfone aqui ou ali, o programa começou na hora correta.

Para não deixar de citar fatos curiosos que escapam aos olhos de quem assiste aos programas editados no Showlivre.com, um espectador perguntou, em determinado momento, o que os integrantes fariam caso a banda terminasse. Prontamente, o vocalista Felipe S relatou que continuaria sendo músico, pois largou a escola para isso. E, quando questionados sobre o momento mais difícil que já passaram, a resposta, “apesar do clichê” – segundo o vocalista, foi superar o falecimento de Rafael Virgilio, flautista, trombonista e violonista. Vale também a lembrança de Felipe S sobre a excelência musical de Rafael, algo distante do fim da vida, mas próximo da química entre este e a música. Aliás, alquimia relembrada em umas das faixas do novo álbum da banda, com sampler de uma melodia gravada anteriormente por Rafael.

E quando Clemente indagou sobre filmes, já que o vocalista “tem cara de quem gosta de cinema”, Chiquinho foi taxativo: “não, eu nem assisto tanto filme, só uso esses óculos mesmo”. E foi nesse clima brando, na frente e atrás das câmeras, que passou a apresentação do Mombojó.

*João Vicente Seno Ozawa é do setor de Mídias Sociais e Marketing do Showlivre.com e escreve no blog Muito horror show.