"Música minha tem que ter psicodelia"


Como foi o processo de produção e composição do novo CD?

Produção independente, minha. Tenho parcerias com grandes amigos de trabalho. Um disco é conceito e talento. Somos uma equipe (eu, Pupillo, Catatau, e o Dengue). Somos parcerias. A composição no âmago é minha: cantarolo as canções que faço e Puppilo digere na bateria, no beat , pessoal dele. Dengue lapida os graves e Catatau permeia meu canto com as guitarras. Mexe tudo isso, e pronto!. Música minha tem que ter psicodelia. O músico tem que estar livre. Eu sei mexer na máquina. É forte. As horas de gravação são sonhos.

E o que conta Otto, a respeito do mais recente álbum, Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos, ao blog Ver-o-pop. Leia.

Macaco Bong no Auditório Ibirapuera: muita intensidade em poucas palavras

Quem esteve na sexta ou no sábado no Auditório Ibirapuera teve a chance de entender os motivos pelos quais os independentes têm ganhado cada vez mais espaço na música brasileira. Não afirmo isso por gosto pessoal ou preferência por algum gênero, claro está: não canso de enfatizar aqui no blog da Identidade Musical que é necessário pagar o tributo aos mestres do passado, aprendendo com eles. Mas os shows do Macaco Bong neste fim de semana serviram para demonstrar que de fato algo de diferente vem ocorrendo na música brasileira.

Leia a íntegra do texto de Carlos Rogério no blog da Identidade Musical.

Creation Records é tema de documentário

Já ouviram falar do selo britânico Creation Records? Gravadora independente que revelou gente como The Jesus And Mary Chain, My Bloody Valentine, Primal Scream, Ride, Super Furry Animals, Oasis, entre outros, a empresa musical é tema de um documentário chamado Upside Down. Leia no Eu. ela, o cão e o affair redivivo.