Boas festas, internautas

Nesta pré-véspera de Natal, queremos desejar a todos vocês boníssimas festas. A equipe do Showlivre entra em merecido recesso e permanece carregando baterias até o dia 11 de janeiro. Contudo, há uma retrospectiva no ar. Vale a pena ver de novo, como diriam lá na emissora dos Marinho. Por aqui, além dos votos e da sugestão de mergulho no que de melhor aconteceu no site em 2009, uma breve seleção de vídeos. A seu modo, cada um dos artistas fala das festividades de final de ano. Até a volta, amigos.




São Paulo, a meca das bandas independentes

O amigo Rogério Duarte, diretor da Identidade Musical, nos manda o texto abaixo.

São Paulo, a meca das bandas independentes

Uma boa parte do público de São Paulo ainda não sabe, mas uma nova geração de bandas nacionais de rock tem se transferido para a cidade. Seja pela qualidade dos letristas, seja pelas novas propostas sonoras, seja ainda pela postura crítica, não se pode dizer mais que o rock brasileiro acabou na primeira metade da década de noventa, como se costuma ouvir por aí.

Há explicações para essa migração e para a diversidade sonora: uma característica marcante da nova geração do rock brasileiro é o fato de não haver apenas uma cidade ou região da qual irradiem as bandas. Com o crescimento acentuado das capitais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, além da articulação e do fluxo de informações possibilitados pela internet, movimentos regionais de rock – que Sudeste e Sul nem suspeitavam que existiam – se formaram e se fortaleceram, por exemplo, por meio de festivais de música independente promovidos pela Associação Brasileira de Festivais Independentes, a Abrafin (http://abrafin.org/).

Essa nova geração do rock brasileiro não é tão intolerante, do ponto de vista musical, como foram algumas anteriores. A maioria das bandas, em certa medida, namora outras sonoridades, especialmente as de suas cidades ou regiões de origem. Os paraenses do Madame Saatan, por exemplo, à primeira audição, soarão como banda de heavy metal; os ouvidos cuidadosos, entretanto, perceberão influências do carimbó – ritmo típico de Belém do Pará – entre solos de guitarra e viradas de bateria.

São Paulo, especialmente nos últimos quatro anos, tem se tornado uma espécie de meca roqueira. Muitas bandas, na expectativa de ampliação de público, têm vindo à capital financeira do país em pequenas turnês. Outras se mudaram definitivamente para a cidade. É o caso de Vanguart, de Mato Grosso, que já alcançou projeção com a gravação de um DVD no canal Multishow, e Los Porongas, do Acre, que também teve seu show registrado nesse formato com o apoio do Itaú Cultural.

Apesar do sucesso de bandas como essas, há ainda muitas outras que merecem a atenção do público paulistano e cujos shows podem ser vistos em várias casas noturnas de São Paulo, especialmente nos circuitos da Barra Funda e da Rua Augusta. Volver, O Jardim das Horas, O Sonso, Rafael Castro e Os Monumentais e Saulo Duarte e a Unidade têm trabalhos que merecem atenção.

Quem mora em São Paulo sabe bem como as coisas acontecem na cidade: vá o quanto antes aos shows dessas bandas, em casas noturnas de pequeno e médio porte, porque, quando as bandas ficarem grandes, as filas nos portões dos estádios serão imensas.

Vanguart volta aos palcos: uma análise de “Cachaça”

Hélio Flanders, do Vanguart, no Estúdio Showlivre

Por conta do show que o Vanguart faz nesta sexta-feira em São Paulo, o amigo da redação e professor de literatura Rogério Duarte faz uma daquelas análises no capricho da letra de Cachaça, canção do grupo, no blog da Identidade Musical. Para ler e ir.

Rock Pará entrevista Luiz Thunderbird

A música independente brasileira salva a gente do “império do mal” que costuma dominar os cenários midiáticos. Quem quiser se esforçar um pouco, terá acesso aos indies. Hoje temos os festivais, a internet, podemos alcançar o que quisermos, sem depender da rádio, TV, e publicações facistas. O “indie” depende dele mesmo, portanto está sempre se cuidando. Vejo que o segmento cresceu em número, organização e qualidade. O Brasil é muito grande e precisa melhorar questões de logística. Só assim podemos ter uma unidade melhor entre os músicos brasileiros.

É o que diz Luiz Thunderbird ao blog Rock Pará. Leiam.

Ganhadora da promoção fotografa Emmerson Nogueira

A internauta Aline Pezzo foi uma das ganhadoras da promoção Emmerson Nogueira e esteve no show do cantor no Citibank Hall, em São Paulo, na última sexta-feira, 11. Além de assistir à apresentação, Aline também pôde conhecer o artista, tirou fotos no camarim e mandou para gente. Muito legal.

Da esquerda para direita: Alessandra Soares, Alan Carlos Pezzo, Emmerson Nogueira e Aline Pezzo

Emmerson Nogueira em ação no Citibank Hall. Foto: Aline Pezzo

Fãs registram passagem d’O Teatro Mágico pelo estúdio

A passagem d’O Teatro Mágico pelo Estúdio Showlivre da última quarta-feira, 9, foi uma festa. Além dos vídeos da empolgante apresentação do grupo que estão pipocando pelo site, há fotos enviadas pelas internautas Beatriz Giorgi e Graziella Pisacane, ganhadoras da promoção que as trouxe pessoalmente à gravação do programa. Belas imagens, meninas.

Fernando Anitelli e Beatriz Giorgi

Beatriz Giorgi, o irmão, Neto, e os integrantes da trupe

Os músicos em ação pelas lentes de Beatriz Giorgi

Graziella Pisacane, Fernanda Lazarini e O Teatro Mágico

Fernando Anitelli. Foto: Graziella Pisacane

Fernanda Dias e Patrícia Hitome nas gravações do programa. Foto: Graziella Pisacane